Divaldo Lara alerta sobre intenção do Executivo em criar novas secretarias

PTB Notícias 28/08/2013, 6:47


Foi votado na sessão de segunda-feira (26/8/2013), na Câmara de Bagé (RS), o Plano Plurianual (PPA), que determina a previsão de gastos do Executivo para o quadriênio 2014-2017.

A adoção do Plano é obrigatório para os municípios planejarem suas ações e a cada ano deve ser realizada uma avaliação do processo de andamento do que estiver previsto.

O vereador Divaldo Lara (PTB) destacou a importância deste planejamento para o desenvolvimento sócio-econômico de Bagé e após estudo das mais de 100 páginas do livro que compõe o PPA, mostra que entre os itens está a previsão de criação de novas secretarias, onerando os cofres do município em mais de 2 milhões.

Com base nisto, o vereador apresentou emenda suprimindo a previsão orçamentária para este item, rejeitada pela bancada governista.

O projeto para criação das novas secretarias está atualmente suspenso na Câmara, mas a inclusão do item na previsão orçamentária e a rejeição à emenda representa para o vereador o indício de que haja intenção em trazer o projeto à discussão a qualquer momento.

Após a rejeição da emenda, Divaldo Lara com a bancada do PTB e PP votaram contra o plano plurianual com a redação original, entretanto tiveram voto vencido e o plano acabou sendo aprovado.

“Dois milhões é o valor contemplado no plano para a criação das novas secretarias, sem contar o valor do salário dos secretários.

Considero um valor muito alto para um município que tem capacidade de investimento de apenas 2,5% ao ano.

Se a Prefeitura fosse uma empresa, estaria à beira da falência”, diz o vereador, expondo dados obtidos com a Secretaria da Fazenda do município.

Outro item que chama atenção no plano plurianual é a extensão do prazo para término da barragem da Arvorezinha, cuja nova data prevê até o ano de 2017.

No plano anterior, a previsão findava em 2013.

Lara ressalta também que são poucas as secretarias que cumprem a avaliação do processo de andamento do plano, com funcionário da pasta com capacidade e dedicação para acompanhar a execução das metas.

Segundo o vereador, existem secretários que desconhecem os valores destinados à sua própria pasta, contemplados no orçamento do município.

Para estas secretarias, o plano torna-se sem finalidade e não cumpre seu objetivo.

* Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações da assessoria do vereador Divaldo Lara (PTB-RS)