Duciomar Costa participa de encontro para solucionar problema do lixo

PTB Notícias 25/03/2011, 11:43


O prefeito Duciomar Costa (PTB-PA), participou nesta última quarta-feira, 23/03/2011, da abertura do o seminário “Soluções Sustentáveis para os Resíduos Sólidos da Região Metropolitana”.

O evento promovido pela Federação das Associações dos Municípios do Estado do Pará (Famep) debate o grave problema da destinação do lixo urbano, até esta quinta-feira (24), no Hangar – Centro de Convenções e Feiras da Amazônia.

Durante o encontro, o prefeito defendeu a união dos municípios da Região Metropolitana de Belém (RMB).

“O Aterro Sanitário do Aurá já está praticamente saturado e ao longo dos anos recebeu lixo dos municípios da região metropolitana.

Então, uma decisão consorciada pode ser a solução para o problema do lixo”, explicou.

O evento reuniu, além de Duciomar, todos os seis prefeitos da RMB: Hélder Barbalho (Ananindeua), Bertoldo Couto (Marituba), Mário Kató (Santa Isabel), Edmauro Farias (Benevides) e Ciro Góes (Santa Bárbara).

Eles assinaram uma carta de compromisso para a criação de um consócio intermunicipal, que buscará soluções para o lixo urbano pelos municípios que compõem a Região Metropolitana.

Duciomar disse que aprova a formação de um consórcio intermunicipal para solucionar o grave problema, mas o projeto deve ser cuidadosamente elaborado, pois tem visitado cidades que são modelos de destinação adequada de resíduos.

“E essa questão da destinação adequada do lixo é um desafio muito grande, mas os prefeitos da RMB precisam dar uma resposta à sociedade para esse problema”, disse.

Carlos Vieira, diretor executivo da Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), que veio a Belém para participar do evento, afirma que a RMB precisa se adequar a política nacional dos resíduos sólidos o mais breve possível.

Durante o evento ele defendeu a implantação de consórcio intermunicipal como solução para o problema na RMB.

Para ele, com a união das prefeituras pode ser feita a reciclagem de materiais, reduzir a geração de resíduos e determinar o que fazer com o lixo remanescente.

“80% do total de resíduos produzido pelas cidades pode ser reciclado e apenas o restante, chamado de rejeito deve ser depositado no aterro”, esclareceu.

Carlos disse que do total de resíduos que é produzidos pelas cidades, 50% são materiais orgânicos, 30% recicláveis e 20% rejeito.

“Ou seja, pode haver um grande reaproveitamento desses materiais que hoje são despejados nos aterro sanitário do Aurá”, concluiu.

Agência Trabalhista de Notícias, (IS) com Informações da Prefeitura de Belém