Edson Shimabukuro destaca problemas técnicos após paralização de obras

Agência Trabalhista de Notícias 11/04/2016, 8:18


A Audiência Pública que discutiu as obras paradas em Campo Grande (MS), na quinta-feira (07/04/16), reunindo lideranças comunitárias e parlamentares da Casa de Leis não contou com nenhuma autoridade do executivo e terminou com o pedido de agendamento de duas outras Audiências Públicas com promotores e outra com os empreiteiros das obras Públicas.

Integrante da Comissão Permanente de Obras e Serviços Públicos, o vereador Edson Shimabukuro (PTB), esteve presente e lamentou a ausência do secretário titular Seintrha (Secretário Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação), Amilton Cândido de Oliveira e falou sobre os prejuízos de forma técnica gerados por estas paralisações.

” Os recursos já foram liberados pela Caixa.

É um grande prejuízo porque onera o valor aprovado e os encargos acabam aumentando e quando a obra for retomada o valor já será outro não sendo suficiente para a conclusão” lamentou o vereador Edson Shimabukuro (PTB).

O vereador também destacou que muitas obras paradas faltam pouco para a conclusão como em alguns casos de CEINFS e Postos de Saúde.

Algumas das obras paradas são: Ceinfs, PSF, UBSF, pavimentação asfáltica, drenagem, valores de contrapartida do município, valores depositados da União, verbas pagas, restos a pagar, depredações de obras, entre outros.

Esteve presente também o gerente regional da Caixa Econômica Federal, Dr.

Paulo Cesar, que deixou claro que a Prefeitura de Campo Grande terá que devolver o dinheiro liberado, por meio de convênios.

Conforme último levantamento feito pela Prefeitura, de março de 2015, haviam 152 obras inacabadas em Campo Grande.

Em outubro deste ano, o titular Seintrha (Secretário Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação), Amilton Cândido de Oliveira, participou de audiência na Casa de Leis sobre o mesmo tema, no entanto, pediu 30 dias para apresentar um relatório completo sobre a situação das obras, que não foi entregue.

Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações da Câmara Municipal de Campo Grande (MS) Foto: Divulgação/Assessoria