Em entrevista, Ronaldo Nogueira fala sobre sua atuação em Brasília

PTB Notícias 27/12/2013, 9:11


O deputado federal Ronaldo Nogueira (PTB-RS) concedeu entrevista ao vivo para o Lado a Lado nesta semana falando sobre sua atuação em Brasília; o foco do partido em Carazinho para as eleições municipais de 2016; a perda de um vereador no Legislativo Municipal; e a frustração de não ter conseguido convencer André Azevedo e Eugênio Grandó para uma dobradinha, como candidatos a prefeito e vice de Carazinho, em 2012.

Confira aqui alguns trechos da entrevista: * Por que o evento do PTB que seria neste mês de dezembro ficou para março de 2014:”Faríamos esse evento no dia 21, mas ficou para março em razão de minha permanência em Brasília até essa data, e conversando com o partido, resolvemos transferir para março de 2014 esse grande evento que terá trabalhistas de toda a região do Alto Jacuí, cerca de 500 lideranças da região.

E porque o partido planejou, definiu o que quer, em 2014 e 2016, não haveria o que deliberar, seria mais uma reunião festiva, e por isso ficou para a segunda quinzena de março”.

* Perda de um vereador no Legislativo com a saída de Paulino de Moura para o Solidariedade: “No partido em Carazinho sempre procuramos estabelecer parâmetro de atuação coerentes com o programa partidário.

Respeito as decisões pessoais, aquele sentimento individual, que muitas vezes vem de confronto com o que o partido estabeleceu nas suas diretrizes, foi o que aconteceu que culminou com a saída do Paulino, que tinha intenção de concorrer nas eleições estaduais de 2014, e esse não era o projeto do partido.

Houve um entendimento nesse sentido, vereador seguiu seu caminho, e desejamos boa sorte a ele, porque não fizemos um planejamento de vida e de partido contando com a desgraça das outras pessoas, desejamos que sejam felizes em seus projetos e decisões da sua vida.

Quanto ao fato de perder sua representatividade na câmara, a representatividade no parlamento é importante, mas também precisa estar afinada, de acordo com as diretrizes do partido, senão é um elemento que fica ocasionando um conflito constante, tira a paz tanto do vereador quanto da instituição partidária, então tem proverbio antigo que diz ´Uma retirada em paz muitas vezes é uma ação ganha´ foi o que ocorreu no PTB.

* Eleições 2016: ” O PTB permanece em Carazinho mais de mil filiados, hoje com uma representação na câmara dos deputados, e em 2016 seremos protagonistas, tendo candidato a prefeito e vice, boa nominata a vereadores, até porque isso estamos defendendo no partido em nível regional e federal, a médio e longo prazo.

Já recebi essa incumbência do PTB nacional, de organizar um planejamento estratégico, inclusive em março estarei junto a uma exposição nacional, pensando 2018 e 2022.

Vou ser coordenador desse grupo de trabalho e preciso implementar na minha cidade, preciso ter um `case´ de exemplo.

Se em Carazinho o PTB sempre mantiver essa solidariedade e não for protagonista o partido vai se definhando, chegou ao ponto de quase não eleger nenhum vereador, e foi feita uma reflexão nesse sentido, não com a intensão de buscar culpados mas de corrigir rumos para o partido marcar posição no cenário político, marcar presença na sociedade, tem que ter plano de desenvolvimento e melhorar a vida das pessoas.

Já está definido, o PTB terá candidato a prefeito em 2016, e o PTB estará na mesa para trazer essa grande discussão a respeito do Carazinho que nós queremos para a próxima geração.

Para as eleições de 2012 eu já tinha lançado a dobradinha André Azevedo e Eugênio Grandó, mas eles não quiseram.

Respeitamos a decisão pessoal deles, em razão da própria falta de estrutura partidária naquele momento, dificuldades, não houve um elemento motivador naquela ocasião, mas o partido hoje está inserido nesse processo, com a decisão de não ocupar cargos na administração municipal.

Colaborar sim, e isso eu faço como deputado.

Meu gabinete é uma extensão do gabinete do prefeito, para dar andamento a todas as demandas que são encaminhadas ao gabinete em Brasília”.

* Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações do portal Lado a Lado