Em homenagem ao Dia do Índio, Telmário Mota pede união na luta por direitos

PTB Notícias 20/04/2018, 9:44


Imagem Crédito: Marcos Oliveira/Agência Senado

O Senado Federal comemorou na quinta-feira (19), em sessão especial, o Dia do Índio, quando parlamentares e representantes das diversas etnias indígenas reivindicaram políticas públicas de educação, trabalho e saúde voltadas a essas comunidades. Autor do requerimento da sessão, o senador Telmário Mota (PTB-RR) reconheceu haver desunião entre os povos, o que acaba, como ressaltou, prejudicando a luta por inclusão e direitos. Na opinião do parlamentar, hoje, os indígenas estão se submetendo ao poder econômico e se enfraquecendo.

“Quase 500 anos se passaram, os invasores europeus, ao chegarem aqui, tentaram escravizar os povos indígenas e não conseguiram. Naquela época, eles não aceitaram ser escravizados, mas hoje, com o tempo, talvez de forma imperceptível, os povos indígenas estão sendo escravizados pelo poder econômico. Hoje, há uma divisão, estão brigando entre si”, lamentou o senador.

Segundo Telmário, que também se denomina indígena, as etnias devem se unir, precisam discutir seus valores, onde, como e por que querem chegar pois, do contrário, continuarão como soldados, marcando passo sem alcançar objetivo algum, sem provar que são capazes e preparados para conduzir os destinos dos seus próprios povos em todos os setores. Ele frisou que é preciso acabar com a “ilusão econômica” e se focar no espírito comunitário.

“Se não houver união dos povos indígenas, nós vamos ser sempre derrotados por interesses outros, que estão longe de ser os interesses dos povos indígenas. O resultado é que cada dia mais estamos mais fracos. Podem acreditar nisso. Nós estamos individualistas, nós estamos perdendo aquela essência do sentimento cooperativista, do sentimento de irmão, de dividir o seu pirão, por conta de muitos anseios, de muitas lutas, que não têm avanço”, disse.

Marcos Terena, representante da Comissão de Justiça da Paz da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), frisou que uma das maiores dificuldades que o índio enfrenta diz respeito à demarcação de terras. Empresários dificultam a permanência desses povos, pois os locais habitados têm grandes recursos naturais, observou.

Números

As línguas indígenas faladas chegam a 274, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e as 480 terras indígenas reconhecidas pelo Estado ocupam mais de 1 milhão de quilômetros quadrados, 12,5% do território nacional, sendo que 98% dessa área está na Amazônia Legal.

“Os ruralistas entendem que os povos indígenas não podem ter área demarcada. Nós temos 12%, quando 100% eram dos povos indígenas. Imaginem. Quer dizer, [antes] 100% eram de oito milhões, que são os povos indígenas [antes da chegada dos portugueses], hoje reduzidos a menos de 1 milhão, têm 12% e eles [os ruralistas] acham que têm terra demais”, observou Telmário.

Com informações da Agência Senado