Em Sorocaba, Tuma comenta acordo firmado entre Brasil, Irã e Turquia

PTB Notícias 25/05/2010, 8:20


A Comissão de Relações Exteriores do Senado deverá convocar o chanceler Celso Amorim para que explique os termos do acordo firmado entre o Brasil, o Irã e a Turquia, informou ontem em Sorocaba o senador Romeu Tuma (PTB).

Ele participou, com outras lideranças – entre elas o presidente do diretório estadual petebista, Campos Machado, o deputado Nelson Marquezelli e o vice-prefeito de São Bernardo do Campo, Frank Aguiar – do 1º Encontro Regional de Vereadores do partido.

Tuma conversou com os jornalistas e, no breve contato, falou que o governo precisa esclarecer as bases do tratado em torno do programa nuclear iraniano.

É inegável que a costura diplomática e política liderada pelo presidente Lula representou um avanço e reforçou a importância do país no cenário internacional.

Mas, precisamos saber o que exatamente prevê esse compromisso, já que os detalhes ainda não vieram a público, destacou.

Candidato à reeleição, ele reconheceu que a mudança feita pelo Senado no texto do projeto ficha limpa favoreceu candidatos que já possuem antecedentes, uma vez que a matéria deverá valer apenas para as eleições de 2012.

Ou seja, quem tiver pendências com a Justiça pode participar normalmente da disputa deste ano.

Essa é, também, a interpretação do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), argumentou.

Autor do projeto de lei que regulamenta o funcionamento das Guardas Municipais, conferindo-lhes poder de polícia, Tuma ficou surpreso ao saber que, em Salto, cidade da região de Sorocaba, os GMs atuam também como investigadores.

Não estou a par do caso, mas posso adiantar que é irregular.

Guarda Municipal não tem de investigar.

Sua função é cuidar dos próprios municipais.

Infelizmente isso acontece porque, embora aprovada, a lei que disciplina o papel dos GMs não foi, até agora, implementada como deveria ter sido.

Estruturação e fortalecimento foram as palavras de ordem do evento.

O titular do partido no Estado, Campos Machado, anunciou que no dia 26, o PTB define a quem apoiará na corrida presidencial.

Antes disso, a sigla deverá fechar questão em torno da candidatura do tucano Geraldo Alckmin ao Palácio dos Bandeirantes.

Temos uma estreita e forte ligação com Alckmin.

Logo, é natural, até pela identidade de propósitos, que, em São Paulo, apoiemos o seu nome, justificou.

Campos Machado lembrou que o PTB é uma poderosa máquina partidária.

Temos um quadro bastante expressivo de filiados, representantes em todas as esferas; somos uma força política que tem muito a contribuir para o desenvolvimento do país.

* Agência Trabalhista de Notícias com informações do Jornal Cruzeiro do Sul