Ernandes Amorim alerta CADE dos riscos de fusão de grupos frigoríficos

PTB Notícias 30/09/2009, 13:09


Um alerta ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), autarquia vinculada ao Ministério da Justiça, foi dado na última segunda-feira (28/9), pelo deputado federal Ernandes Amorim (PTB), quanto aos riscos para os frigoríficos a anunciada fusão dos dois maiores gigantes do setor de carnes do Brasil, os grupos JBS-Friboi e Bertin.

“Essa fusão reduz ao mínimo as opções de comercialização por parte dos pecuaristas, e como sempre acontece com os cartéis, eles passam a estipular o preço de compra e venda, pois passam a deter em suas mãos o mercado”, afirma o parlamentar.

Segundo ele, o pequeno e médio pecuarista foram os mais atingidos pela crise de exportação de carnes, com o fechamento do mercado externo e a redução de consumo internamente, e ainda a falta de pagamento do seu gado, a exemplo do que ocorre com o grupo Independência, que até hoje não saldou seus credores.

“Este momento difícil porque passa a nossa pecuária, onde o pecuarista convive com uma cotação da arroba na sua linha limite do custo de produção, dificuldade de comercialização, o surgimento de um oligopólio, com características de monopólio, desequilibra ainda mais a relação entre produtores e indústria, que já não é equilibrada há muito tempo”, observa Amorim.

Ele chamou a atenção ainda da cartelização de um lado e desorganização dos produtores do outro.

Enquanto os grandes grupos econômicos se juntam, se organizam, a Associação Nacional dos Produtores de Bovinos de Corte convive com a falta de organização dos produtores, que negociam individualmente sua produção, com pouquíssimo poder de barganha junto aos seus compradores, que na maioria das vezes exercem em certas regiões o controle do preço de compra e venda.

“Está claro que essa junção vai trazer um impacto violento no mercado e vai atingir as duas pontas, com prejuízo para produtores e consumidores, razão pela qual chamo a atenção de todos os colegas da Comissão de Agricultura e Pecuária da nossa Casa, para acompanharmos os efeitos sobre o mercado interno da carne bovina pelo Cade, mantendo-se as condições de competitividade e equilíbrio do setor de carnes”, disse Amorim.

fonte: site Rondonia Dinamica