Ernandes Amorim protesta contra acusações do Ministério Público de RO

PTB Notícias 30/06/2009, 7:45


O Deputado Ernandes Amorim (PTB-RO) protestou, nesta segunda-feira, em discurso no plenário da Câmara, contra as acusações que vêm recebendo do Ministério Público de Rondônia.

Segundo ele, “Essas denúncias são ainda de 2004, todas elas mentirosas, e levaram, naquela época, até à minha prisão.

Denunciaram que eu teria desviado 18 milhões de reais da Prefeitura do Município de Ariquemes, estaria garimpando em reserva indígena e fazendo contrabando de diamante”, disse.

“Imaginem que as autoridades pegaram essas denúncias e as mandaram ao Ministério Público, que pediu a minha prisão para fazer a investigação.

Eu moro numa cidade há 33 anos, já fui Prefeito dela 2 vezes, Deputado Estadual 2 vezes e Senador da República 1 vez, eleito.

E a Polícia Federal adentrou minha residência às 4 horas da manhã para me levar preso por causas dessas denúncias.

Já se passaram 5 anos, e não há sequer um alfinete que prove a veracidade dessas denúncias.

Agora o Ministério Público as solta de novo.

Eu classifico de mentiroso o rol de acusações feito pelo Ministério Público Federal, em Rondônia”, protestou o Deputado do PTB.

Amorim afirmou que antigamente, o Ministério Público agia dentro dos processos; hoje, o Ministério Público denuncia, manda prender, denuncia a verdade e a inverdade, cria denúncias, monta denúncias, induz as pessoas a denunciar, escreve, tem fé pública e prejudica a vida das pessoas, sem medir a dor de quem é acusado inveridicamente.

“Há pouco, dizia a um jornalista de São Paulo que tudo aquilo não era verdade, que não sou dono de empresa nem de grupo empresarial, que não desviei recurso de lugar algum.

Mas o Ministério Público faz isso para que esta mentira, publicada várias vezes, passe a ser verdade, porque as pessoas começam a ler e pensam que realmente é verdade.

É preciso mais um pouco de seriedade dos setores do Ministério Público.

Não são todos os procuradores que usam desses artifícios, há muita gente direita no Ministério Público, no Judiciário.

Mesmo assim tem muita gente que, para estar na mídia, usa o nome das pessoas”, denunciou Amorim.

“A imprensa não deve alimentar isso, porque se a imprensa publica um assunto que não é verdade está cometendo mais um crime.

Quando era Senador, entrei com ação contra o Correio Braziliense e fui indenizado; entrei com ação contra a Enciclopédia Britânica e fui indenizado; entrei com ação contra o Jornal do Brasil e estou ganhando; entrei com ação contra um jornal em São Paulo e estou ganhando.

O fato de ser jornalista não significa ser obrigado a dar continuidade às mentiras.

Isso não pode continuar ocorrendo”, concluiu o Parlamentar petebista.

* Agência Trabalhista de Notícias