Ernandes Amorim repudia declarações do governador Ivo Cassol

PTB Notícias 10/05/2007, 8:27


O deputado federal petebista Ernandes Amorim repudiou, “veementemente”, a manifestação do governador de Rondônia, Ivo Cassol (PPS), de por em suspeição a representatividade do Poder Legislativo de Rondônia, ao afirmar ao portal eletrônico G-1, que parte dos deputados estaduais eleitos querem uma suposta “volta ao passado”, com tentativa de ressuscitar pagamento de propina em troca de apoio político.

Com essa mesma denúncia, na legislatura passada, o governador conseguiu projeção na mídia nacional após divulgar fitas gravadas por ele contendo supostas negociações de benesses e dinheiro em troca de apoio.

“Ele devia ter nominado ou apresentado qualquer tipo de indício dessa natureza.

O que ele fez foi manchar de forma leviana o Poder Legislativo de Rondônia, com base, no que ele mesmo diz na entrevista, em fofocas.

Os deputados têm que cobrar uma retratação imediata.

Estamos construindo, pela primeira vez na história, um projeto de união de todas as forças em prol do Estado e o primeiro a denegrir Rondônia e seus representantes, é o próprio governador”, lamenta Amorim.

Segundo ele, as “ilações e provocações injuriosas do chefe do executivo, só podem servir a um propósito: de desviar o foco da atenção das denúncias recentes de malversação de recursos, constatadas pela Controladoria Geral da União, e de outros processos que tramitam na Justiça – alguns deles no Superior Tribunal de Justiça (STJ) – contra o governador”, observou.

“Na condição de cidadão e de parlamentar não posso me calar ante essa agressão a um Poder em nosso Estado, perpetrado por quem de direito devia zelar.

No momento crucial de harmonia para Rondônia obter avanços com os empreendimentos previstos para o Estado, o chefe do Executivo vem enlamear e, sob escudo de “alguém me disse que houve isso e aquilo”, joga um Poder aos cachorros.

Não podemos compactuar com isso e esperamos que ele faça uma retratação pública a nossa sociedade.

O povo exige respeito”, cobrou Amorim.