Escolas podem criar cursos técnicos à distância, afirma Alex Canziani

PTB Notícias 24/05/2007, 11:28


Os estabelecimentos de ensino podem celebrar contratos diretamente com o Ministério da Educação para a implantação de cursos técnicos através da modalidade à distância.

É o que foi informado pelo presidente da Subcomissão Especial de Educação à Distância da Câmara Federal, deputado federal Alex Canziani, do PTB do Paraná, durante evento realizado ontem em Londrina.

Conforme disse Canziani, um edital especificando detalhes já foi publicado pelo Governo.

O encontro foi direcionado para prefeitos, secretários municipais, diretores de escolas e lideranças educacionais da região, e teve por objetivo esclarecer os procedimentos para a viabilização do programa federal de promoção de cursos técnicos à distância, através da instalação de pólos microrregionais.

O evento reuniu 58 pessoas, que tiraram dúvidas sobre a formatação dos projetos para a implantação dos cursos.

Segundo o presidente da subcomissão, deputado federal Alex Canziani, o MEC tem como meta criar mil pólos de ensino técnico no Brasil até 2010.

Uma consultora falou sobre os encargos exigidos pelo Ministério da Educação para a efetivação das parcerias, e detalhou a sistemática, o plano de trabalho e os procedimentos necessários para a realização dos cursos, que incluem aulas teóricas, práticas e didática através de teleconferências, entre outros.

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL No geral, a incrementação de cursos técnicos e profissionais pelo país fez o segmento dar um salto na oferta.

De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), entre 2003 e 2005 houve um crescimento de 26,9% na educação profissional técnica de nível médio no Brasil.

No ano de 2003, o país contava com 2.

789 escolas que ofereciam cursos de educação profissional e atendiam 589,3 mil alunos.

Em 2005, essa modalidade de ensino foi oferecida em 3.

294 escolas, contemplando 747 mil alunos.

Com a implantação de cursos à distância, esses números deverão aumentar.

fonte: site do deputado Alex Canziani