Executiva estabelece meta de eleger no mínimo um federal por estado

PTB Notícias 10/12/2008, 18:06


Um deputado federal no mínimo por estado.

Esta foi a meta traçada pelo Presidente Nacional do PTB, Roberto Jefferson, para as próximas eleições de 2010, em que haverá a renovação no Senado, na Câmara dos Deputados e nas assembléias legislativas.

A meta foi aprovada por unanimidade no encontro da Comissão Executiva Nacional do PTB, que se reuniu nesta quarta-feira (10/12), em Brasília.

Para o Presidente do PTB, se o partido trabalhar em torno desta expectativa, já conseguiria sair das urnas com pelo menos 27 deputados federais, acima dos atuais 22 que compõem a bancada petebista.

“Queremos um federal por estado, isso é compromisso nosso e dos presidentes dos diretórios estaduais.

E nós vamos atingir esta meta como fizemos agora nas eleições municipais, em que conseguimos resultados expressivos valorizando a prata da casa.

Nós queremos construir um partido poderoso a partir da base municipal, e inclusive acredito que o fundo partidário não poderia ser medido pela bancada federal e sim pela estadual”, afirmou Roberto Jefferson.

O deputado estadual Campos Machado, secretário-geral da Executiva Nacional, concordou com o Presidente do PTB, e afirmou que o partido precisa estabelecer uma estratégia nacional para fortalecer as candidaturas não só para 2010, mas também já pensando nas eleições municipais de 2012.

Para Campos Machado, o atual tempo de televisão do partido é pequeno, e nas campanhas de hoje, quem domina a TV, diz ele, conquista resultados mais satisfatórios.

“Concordo com o Presidente Roberto Jefferson, nós temos que estabelecer uma meta mínima, porque nos obriga a planejar ações e ambicionar por resultados mais concretos.

Se conseguirmos eleger uma bancada de 30, 35 deputados federais, teremos na campanha de 2012 a possibilidade de lançar candidaturas próprias, para concorrer a Prefeituras como a de São Paulo, por exemplo.

É preciso que a gente sempre tenha em vista que nosso trabalho diário é pelo fortalecimento do PTB.

A hora é agora, e como dizia a canção, quem sabe faz a hora, não espera acontecer”, afirmou Campos Machado.

O senador Fernando Collor também participou do debate sobre a meta sugerida pelo Presidente do PTB, Roberto Jefferson, de no mínimo um federal por estado.

Collor elogiou a atuação de Campos Machado à frente do Diretório de São Paulo, e disse que o trabalho que vem sendo desenvolvido naquele estado, inclusive com a criação de diretórios de apoio em vários segmentos sociais – como aposentados, sindicatos, afro-descendentes, juventude, entre outros – é um estímulo para outros presidentes estaduais.

O senador petebista aproveitou também para traçar um panorama sobre a atuação dos partidos políticos no Brasil, assim como o de aglutinação em torno de legendas com maior estrutura no País.

“Muitos políticos se aglutinam em torno de um legenda em função da expectativa de poder que ela possa gerar.

Em Maceió, por exemplo, tínhamos sete vereadores eleitos pelo PTB, mas no momento em que o prefeito saiu para o PP, todos esses sete prefeitos saíram do nosso partido, o que é muito complicado e até mesmo frustrante.

Nós, do PTB, somos um partido médio, e temos crescido graças ao trabalho de cada um de nós, do nosso Presidente Roberto Jefferson, que tem se esforçado ao máximo para fazê-lo viscejar e crescer nos municípios e nos estados.

Por isso temos que trabalhar concentrados em aumentar nossas bancadas no Congresso, para não permitirmos mais ser sugados pela força de sucção que detém os partidos que estão consorciados com o governo federal”, afirmou Collor.

O senador aproveitou para defender a elaboração, pelos membros do Partido Trabalhista Brasileiro, de um projeto de poder para a agremiação.

Collor disse que o partido poder se tornar proeminente, é necessário que crie condições de mostrar à nação que tem e possui projeto político de poder, e não aparentar ser um partido que vai sempre ficar esperando em cada um dos estados como é que vão se compor os principais partidos para só então tomar suas posições.

“Eu acredito que a única maneira que nós temos de levantar o ânimo, a vontade, a garra que sempre foi marca do PTB, é estabelecer um projeto de poder.

Mas um projeto que passe ao largo de composições em que o partido ocupa apenas posição secundária.

O PTB, com a história que tem, com a liderança do nosso Presidente Roberto Jefferson, deve agora içar as suas velas, e esperar que os ventos nos conduzam a novos rumos, que vão fazer com que nossos filiados se sintam atraídos em poder participar da vida partidária.

Qualquer partido pode crescer na medida em que gerar expectativa de chegada ao poder.

Sem isso o partido tende a fenecer, ou vai viver procurando fazer os entendimentos e acordos políticos que permitem ficar no plano médio.

Mas essa não é a condição que o PTB merece e deseja”, afirmou o senador Fernando Collor.

O Presidente do PTB, Roberto Jefferson, concordou com as afirmações do senador Fernando Collor, e disse que o partido precisa construir seu próprio caminho.

Jefferson lembrou que o PTB apóia o governo federal, mas não tem qualquer alinhamento definitivo nem com Lula, nem com José Serra, e se o partido tiver uma candidatura própria para presidente da República em 2010, pode chegar a fazer uma bancada de 50 deputados e oito senadores.

“Uma candidatura própria arrasta os companheiros na proporcional.

Se pudermos construir este caminho, penso que é um sentimento nacional de todos os petebistas, termos um nome nosso, uma candidatura nossa para a eleição presidencial”, disse Roberto Jefferson.

Agência Trabalhista de Notícias