Feriado começa com cancelamentos e atrasos de vôos

PTB Notícias 2/11/2007, 14:01


O fim da operação-padrão dos funcionários da Infraero, determinada pela Justiça na tarde de quinta-feira, tornou mais tranqüila a movimentação nos aeroportos na manhã desta sexta, dia de Finados.

Segundo boletim da Infraero, no entanto, de meia-noite até as 13h, 147 dos 978 vôos (15%) foram cancelados e 174 (17,8%) registraram atrasos superiores a uma hora.

No Aeroporto Antônio Carlos Jobim, no Rio de Janeiro, a movimentação de passageiros durante a madrugada foi tumultuada.

Até às 2h, todos os vôos domésticos registravam atrasos, metade deles superiores a quatro horas.

A Infraero culpou o mau tempo no Rio e em São Paulo, mas o caos no aeroporto pode ser reflexo da operação-padrão.

No Tom Jobim, 21 vôos (23,6%) registravam atrasos e dez haviam sido cancelados (11,2%) até às 13h.

No Santos Dumont, 11 foram cancelados (25,6%).

Em São Paulo, o Aeroporto de Guarulhos teve uma manhã agitada, com 28 dos 144 vôos domésticos registrando atrasos de mais de uma hora, o que representa 19,4% dos vôos planejados até às 13h.

Em compensação, apenas dois vôos foram cancelados (1,4%).

Já no Aeroporto de Congonhas, onde funciona a ponte aérea Rio-São Paulo, o problema está nos cancelamentos: dos 118 vôos programados até às 13h, 33 foram cancelados (28%).

Oito vôos atrasaram mais de uma hora, segundo a Infraero, o que significa 6,8% do total.

No aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, 14 de 21 decolagens (65%) foram canceladas.

Em Porto Alegre, seis vôos previstos não decolaram (15,4%) e dez registravam atrasos (25,6%).

Já no aeroporto de Brasília, foram registradas poucas filas de passageiros e atrasos.

Dos 66 vôos programados no local, nove (13,6%) registravam atraso de mais de uma hora e cinco (7,6%) haviam sido cancelados.

Na quarta-feira, o presidente da Infraero, Sergio Gaudenzi, fez um apelo para que os passageiros evitem escolher vôos em horários que costumam ficar mais congestionados até o carnaval de 2008.

Gaudenzi disse que uma decisão dos passageiros pode reduzir as filas nos aeroportos e os transtornos provocados pelos constantes atrasos em pousos e decolagens.

Fonte: Agência O Globo.