Fernando Collor defende ajustes nas políticas externa e de defesa

PTB Notícias 19/06/2007, 17:24


O senador Fernando Collor, do PTB de Alagoas, reivindicou no Plenário do Senado, nesta terça-feira, 19, ajustes nas políticas externa e de defesa do atual governo federal.

O pleito se justificaria pela necessidade de o Brasil se resguardar frente à situação de instabilidade observada em países vizinhos.

O alerta tinha em vista, especialmente, à Bolívia e à Venezuela, esta última dedicada, segundo Collor, “à escalada de influência no entorno brasileiro”.

– Um arco de instabilidade cerca o país.

Não podemos deixar de estar preparados no campo diplomático e de defesa – alertou o senador Collor.

Após apontar o pioneirismo do Brasil na integração sul-americana, Collor sustentou que o sucesso desse processo depende da superação de diferenças culturais e históricas e da construção de uma visão conjunta de futuro.

– A integração que sempre almejei tem a paz como pressuposto.

Cabe ao Brasil não deixar ruir esse processo – incentivou o senador petebista.

Ainda na sua opinião, o Senado precisa participar de forma mais ativa das decisões nos campos diplomático e de defesa.

Em relação à formação de diplomatas, por exemplo, o senador criticou a ampliação das vagas na carreira e o fato de o exame de língua estrangeira passar de eliminatório para classificatório.

Defendeu ainda uma política externa menos ideológica e mais voltada para a aceleração do crescimento.

No tocante às Forças Armadas, conclamou a sociedade brasileira a voltar a refletir sobre as funções constitucionais da Marinha, do Exército e da Aeronáutica.

E considerou fundamental o Estado investir em sua modernização e no seu reaparelhamento.

Em aparte, o senador Gerson Camata (PMDB-ES) considerou pertinente esse alerta no momento em que o Congresso prepara-se para discutir o ingresso da Venezuela no Mercosul.

Em seguida, o presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), senador Heráclito Fortes, alertou para a necessidade de o Senado e o país estarem atentos ao sucateamento das Forças Armadas, advertência apoiada ainda pelos senadores Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) e Mão Santa (PMDB-PI).

fonte: Agência Senado