Fernando Monteiro comemora lei do ensino para uma convivência com a seca

PTB Notícias 21/06/2013, 15:34


O deputado estadual Fernando Monteiro (PTB) defendeu a regulamentação da Lei 6.

346, de 20 de março de 2012, de sua autoria, que estabelece o ensino para uma convivência com o semiárido piauiense.

“Desastre é algo imprevisto, que não se espera e que acontece.

Seca não é desastre, porque acontece anualmente.

É procurar conviver com essa realidade”, propôs o parlamentar.

A lei estabelece que o Executivo fica obrigado a inserir em disciplinas do ensino fundamental e médio da rede pública estadual conteúdos curriculares e metodologias aplicadas com o tema “aprendendo a conviver com o semiárido”, com o objetivo de facilitar e desenvolver a produção e o aproveitamento de espécies frutíferas e animais que melhor se adaptam ao clima da região.

O deputado afirmou que já no ensino fundamental as disciplinas de ciência deverão abordar as culturas agrícolas, as raças mais rústicas, adaptadas à falta de água.

O Conselho Estadual de Educação inclusive está criando uma coordenação destinada a implantar a lei nas escolas estaduais.

O deputado Chico Ramos (PSB) destacou algumas experiências já existentes no mundo.

“A solução para o Nordeste passa pela irrigação.

O abastecimento de água do semiárido, por exemplo, poderia ser feito com água da Barragem de Boa Esperança, a uma distância de 400 km, ou do rio São Francisco, cuja distância é bem menor.

“E porque não fazer isso? Quanto não se gasta para combater a seca? Eles abandonaram a adutora do São Francisco para fazer estádio.

É pão e circo para o povo, como no Império Romano.

As terras do Chile são semelhantes das existentes no semiárido.

E lá se produz frutas, mesmo com o frio.

Porque não produzir também no semiárido?”, questionou.

Fernando Monteiro entende que existem duas alternativas para uma convivência com o semiárido: os investimentos em infraestrutura, com obra certa no lugar certo e investimentos para resolver e não medidas paliativas que não atacam a raiz, apenas amenizam.

E educação, para mudar a cultura da população.

“O homem do semiárido precisa mudar sua cultura.

Plantar o que se sabe vai vingar, criar o que vai se sustentar”, concluiu Monteiro.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da Assembleia Legislativa do PiauíFoto: Alepi