Ferraço acusa governador do ES de não cumprir acordo

PTB Notícias 20/03/2007, 11:14


O deputado estadual Theodorico Ferraço (PTB/ES) acusou, nesta segunda-feira (20/03), o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung de não cumprir um acordo firmado para repassasse de R$ 8 milhões já liberados pelo Ministério da Saúde para a conclusão das obras do hospital de Cachoeiro de Itapemirim.

Segundo Ferraço, o acordo foi fechado antes dele se lançar deputado estadual.

“O governador precisa ser mais humilde e deixar de ser arrogante.

Eu já enfrentei Marinha, Exército, Aeronáutica e presidente da República.

Eu pensava que eu seria mais respeitado.

Que pelo menos ele tivesse humildade e respeito as palavras empenhadas, porque palavra é palavra.

Meu pai sempre me ensinou que: falou, cumpra.

Se não for cumprir não fale.

Esse é o problema.

Eu não estou satisfeito com a situação, mas sim aliviado, estava embuchado com isso” desabafou.

Ferraço explicou que só se lançou candidato a deputado estadual para lutar pela conclusão do hospital.

O parlamentar salienta que na época em que era prefeito de Cachoeiro, Hartung, que era senador, chegou a ajudar politicamente.

O parlamentar contou que o Ministério da Saúde mandou liberar R$ 8 milhões.

O documento de liberação foi entregue ao secretário Estadual de Saúde, Anselmo Tose, mas ele, de acordo com o deputado Theodorico Ferraço, nunca quis tomar conhecimento pois é contra o hospital.

“Eu fui ao Governador e disse: Governador o senhor sabe porque eu me lancei deputado estadual? Ele disse que sim, que era por causa do hospital e que estava solidário a vontade e iria colocar o hospital para funcionar.

De repente veio um tal de plano estratégico, que se eu soubesse tinha jogado uma bomba antes, e não tinha lançado o hospital de Cachoeiro de Itapemirim.

Se meu compromisso era esse, não me interessa mais o Governo do Estado.

Ele tem que cumprir com a palavra dele.

Eu seria capaz de qualquer sacrifício.

Até de dizer que o que ele fala é verdade”, declara Theodorico.

E completa: “Ele sabia e sabe que a construção desse hospital é minha vida.

Não abro mão.

Aquele hospital vai ter que abrir, ele vai ter que honrar com a palavra dele.

Esse dinheiro seria para equipar o hospital que eu já deixei ele preparado com o Ministério da Saúde”, afirma o deputado.

O parlamentar também comentou a respeito do posicionamento de Hartung em colocar o filho dele, Ricardo Ferraço, vice-governador, para responder as críticas do pai.

Para Ferraço, Hartung, por também ter filhos, deveria saber que nunca se deve colocar um filho contra o pai.

“O caso do meu filho que foi escolhido para dar a resposta foi a parte.

Imagine um pai com o filho.

Ele teve muita classe, me chamando até de herói.

Ele disse que os heróis também se enganam.

Eu digo a ele que ele é meu herói pois tem muita paciência.

Eu queria ter apenas cinco por cento da paciência que ele tem.

A questão de pai para filho é muito ruim.

A sorte foi que o Ricardo teve muita classe para responder.

Imagine se ele estivesse possuído pelo Império Capixaba”, desabafa o parlamentar.

A sessão desta segunda-feira começou a ter reflexos das últimas críticas feitas por Ferraço ao governador.

A sessão durou três minutos e caiu por falta de quorum.

Apenas cinco deputados responderam presença, apesar de outros 11 estarem presentes em uma sala anexa ao plenário.

Nos bastidores, alguns deputados disseram que houve um movimento de “derrubada de sessão” por parte de um grupo de governistas que sabiam que Ferraço iria se manifestar na tribuna a respeito do problema com Hartung.

O petebista confirmou que o líder do governo Élcio Álvares (PFL), pediu para que ele não comentasse nada por enquanto e que desse uma trégua.

“Ele me pediu e eu atendi.

Por enquanto estou hibernando, só não sei até quando isso vai durar.

Pode acabar amanhã”, contou Ferraço.

O chefe de gabinete do Governo, Sebastião Barbosa, disse que o estado tem demonstrado dispositivo em investir na melhoria da saúde de Cachoeiro de Itapemirim.

Nos próximos dias, segundo ele, será assinado um convênio de repasse de verba para a Santa Casa de Cachoeiro.

O planejamento estratégico definiu a ampliação de 50 leitos na rede hospitalar da cidade, o que corresponde a quase um hospital.

O Samu 192 também será expandido para o município do sul do Estado.

Agência Trabalhista de Notícias (com informações da Gazeta Online)