Ferrari afasta servidores sob suspeita de irregularidade em Campinas

PTB Notícias 4/04/2012, 19:10


O presidente da Câmara dos Vereadores de Campinas (SP), Thiago Ferrari (PTB), decidiu nesta terça-feira (3/4) afastar durante três meses o diretor de compras Carlos Eduardo Gaspar e o contador da Casa Adilson Dutra Barbosa.

Os dois foram retirados de suas funções após virem à tona suspeitas de irregularidades em contratos de empresas prestadoras de serviço, mas permaneciam em outras atribuições dentro do Legislativo.

Agora, o presidente Thiago Ferrari (PTB) quer que os dois não frequentem mais a Casa até que o caso seja esclarecido.

Enquanto a sindicância interna apura o ocorrido com dezenas de contratos, a dupla vai receber, enquanto aguarda em casa uma definição da presidência, R$ 126 mil em 90 dias.

Para atuar na gerência de compras, Gaspar recebe mensalmente R$ 24 mil.

Dutra, na função de contador, possui vencimentos no valor de R$ 18 mil, conforme apurou a reportagem do Correio.

O Legislativo campineiro não confirmou os valores.

A informação é de que uma lei (que não foi especificada) proíbe a Casa de divulgar os salários dos servidores públicos.

A orientação foi para que a reportagem verificasse o valor de referência que consta no Portal Transparência na internet.

A tabela informa apenas a base salarial de cada categoria, que é de R$ 6 mil.

Os valores podem ser muito maiores caso o servidor tenha recebido ao longo dos anos gratificações do Legislativo.

Os dois são funcionários de carreira desde 1991.

O afastamento definitivo de Gaspar e Dutra ocorreu, segundo informações da Câmara, para que não exista nenhum tipo de interferência na investigação que passou a ser feita pela Casa nos contratos.

Os dois tiveram seus nomes identificados em quadros societários de empresas prestadoras de serviços que mantêm contratos com a Câmara para manutenção, limpeza, jardinagem, fornecimento de material de escritório e de informática.

Além disso, Gaspar também foi o responsável por optar pela modalidade carta-convite no processo de concorrência pública que determinou a compra do sistema de votação eletrônica.

EmpresasJuntos, os contratos de pelo menos seis empresas investigadas pela Câmara nos últimos quatro anos somam R$ 10,7 milhões.

A empresa Oreon Comércio e Serviços Gerais em Campinas Ltda.

, por exemplo, que também é investigada, presta serviços que vão desde fornecimento de material de escritório até jardinagem e serviços de manutenção, como revelou o Correio, nesta terça.

Ela tem como sócio Luiz Antonio Floriano, casado com Renata Aparecida Girardi, sócia da empresa R A Girardi — que também é prestadora de serviços da Casa.

Renata é proprietária da empresa Vila Siena Empreendimentos Imobiliários, que tem como sócios além de Gaspar e a empresária, Dutra, o contador.

Outro funcionário público aparece nas contas da Câmara como proprietário de uma empresa fornecedora de diversos itens para o Legislativo.

Valdir Aparecido Mancini foi nomeado para assumir a função de diretor operacional da Emdec.

Desde 2009, porém, Mancini mantém contratos com a Câmara para o fornecimento de itens de papelaria e informática através da empresa VA Mancini.

O funcionário foi exonerado de sua função na semana passada.

Agência Trabalhista de Notícias (LL) com informações do Portal RAC