Fogaça apura denúncias de irregularidades em UPA de Porto Velho (RO)

PTB Notícias 11/03/2014, 7:34


O vereador de Porto Velho (RO) Everaldo Fogaça (PTB) participou, a convite do Conselho Estadual de Saúde (CES), de uma visita, ao lado de três conselheiros estaduais, à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município, na Zona Leste.

Acompanhados de duas equipes de TV, o vereador e os conselheiros ouviram servidores, chefes imediatos e principalmente pacientes sobre a situação do atendimento.

Na semana passada, um médico fez denúncias graves sobre a morte de um paciente na unidade por falta de medicação e outras irregularidades que o CES vai apurar para levar ao conhecimento do Ministério Público.

Não precisou muito para que a comissão flagrasse algumas situações na UPA como falta de medicamentos, de profissionais, mal atendimento, superlotação, insegurança e pacientes aguardando atendimento há várias horas.

A comissão foi coordenada pelo presidente do Conselho Estadual de Saúde, Raimundo Nonato da CUT.

Segundo ele, a falta de planejamento e principalmente de gestão são os principais fatores que estão levando a UPA da Zona Leste à situação em que se encontra.

No momento da visita, a farmacêutica da unidade, bem como o diretor-geral estavam ausentes.

Três dos seis médicos plantonistas também não apareceram para trabalhar.

O vereador Everaldo Fogaça, que é membro da Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Porto Velho, vai entrar com um pedido de convocação do diretor-geral da UPA Zona Leste e do secretário municipal de Saúde para que respondam a alguns questionamentos.

“Há denúncias graves feitas pelo conselheiro Raimundo Nonato sobre a saúde básica.

Uma delas é o pagamento de equipes do PSF que estão totalmente irregular, ganhando sem trabalhar”, ressaltou.

Everaldo Fogaça também considerou grave as denúncias feitas pelos servidores de que eles recebem até ameaça de morte quando não conseguem dar conta do atendimento em decorrência da lotação da unidade.

“Nós ouvimos atentamente o depoimento da gerente de Enfermagem Zilma Mascarenhas, que nos disse que, no último final de semana, uma enfermeira foi ameaçada de morte por um paciente.

Essa enfermeira passou mal, registrou ocorrência na delegacia e uma guarnição da PM foi obrigada a manter plantão na porta da unidade durante toda a madrugada”, ressaltou.

Ernandes ÍndioApós deixarem a UPA da Zona Leste, o vereador Everaldo Fogaça e os conselheiros Raimundo Nonato, Edna Mota e Maria Barbosa foram ao posto de saúde Ernandes Índio, para verificar como está a situação do atendimento e tiveram uma surpresa: enquanto a UPA estava superlotada, o posto estava praticamente sem pacientes.

Segundo Raimundo Nonato, a população está procurando tratamento inadvertidamente tratamento na UPA e esquecendo-se de ir ao posto de saúde.

“O governo prefere gastar dinheiro com propaganda a orientar os pacientes a procurarem as unidades básicas de saúde.

Boa parte dos pacientes que estão aguardando tratamento na UPA poderiam estar sendo atendidos aqui no Ernandes Índio”, ressaltou.

Ao finalizar Raimundo disse que um dos problemas dessa procura é que as unidades de saúde não estão atendendo a demanda espontânea e só fazem atendimento mediante agendamento ou marcação de consulta.

“O cidadão não quer saber se é aqui ou ali.

Ele vai atrás do atendimento onde ele existe.

Se as unidades básicas de saúde não possuem profissionais ou fecham mais cedo, certamente, os pacientes irão procurar o que está aberto.

É por isso que tenho defendido diariamente a tese de que o problema da saúde do município é falta de planejamento e de gerenciamento”, finalizou.

* Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações da assessoria do vereador Everaldo Fogaça (PTB-RO)