Francisco Souza comemora anúncio de construção de ponte sobre rio N

PTB Notícias 31/01/2007, 11:32


Defensor da construção de uma ponte sobre o rio Negro, ligando Manaus ao município de Iranduba, o deputado estadual Francisco Souza (PTB/AM) não esconde o entusiasmo diante da confirmação do governador do Amazonas, Eduardo Braga, de que a idéia será concretizada.

Souza considera o nascimento da idéia no dia 18 de junho de 2003, quando foi realizada uma audiência pública para discutir os problemas da travessia do rio Negro, feita por meio de balsas, para o porto de Cacau-Pirêra, em Iranduba.

A demora na travessia das balsas, o desconforto dos passageiros e a falta de segurança, dentre outras reclamações dos usuários, motivaram a audiência pública, solicitada por Souza, a pedido do Conselho de Cidadãos do Iranduba.

Segundo o deputado, 80% das manifestações convergiram para a construção da ponte, na ocasião considerada como utopia e, nas suas palavras, “loucura” mesmo.

Havia descrédito até mesmo na área do governo.

Souza lembra que encampou uma campanha para colher assinaturas, no dia 15 de novembro de 2003, para um abaixo-assinado pró-ponte.

“Conseguimos 120 mil assinaturas.

Ficou como registro, como um documento, que na ocasião não teve muito crédito”, diz ele.

Mas Francisco Souza garante: mesmo recebendo críticas pela idéia em que ninguém botava muita fé, ou nenhuma, continuou acreditando que a construção da ponte seria possível, baseado em alguns fatores.

O crescimento econômico projetado para o Estado, a construção do gasoduto Coari-Manaus, a prorrogação da Zona Franca de Manaus para 2023 e a aprovação da lei das PPPs (Parcerias Público-Privada).

“Com esses fatores, senti que o projeto não era utópico, não era uma loucura.

Quando ouvi o governador falando, assumindo o compromisso de governo, durante mais de uma semana, fiquei tranqüilo”, afirma Souza, para quem os municípios de Iranduba, Novo Airão e Manacapuru se tornarão parte da Manaus metropolitana, mas a capital terá inúmeros ganhos.

Manacapuru, segundo ouvir dizer, está atraindo alguns estaleiros e a cidade, hoje conhecida como Princesinha do Solimões, passará a ser rainha, porque será a grande beneficiária.

Agência Trabalhista de Notícias (com informações do Jornal do Commercio)