Gim Argello é homenageado por empresários da construção civil do DF

PTB Notícias 24/06/2009, 19:13


O senador Gim Argello (PTB-DF) foi homenageado por empresários do ramo da construção civil, na noite desta terça-feira (23/6), na sede do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Distrito Federal (Sinduscon/DF).

A cerimônia, segundo o presidente da entidade, Elson Ribeiro Póvoa, foi a forma encontrada pelos donos de construtoras para agradecer o trabalho desenvolvido pelo político no Senado Federal.

“Destaco um projeto recente, que justifica essa homenagem: Minha Casa, Minha Vida.

O senador mostrou que domina o assunto, tinha argumentos consistentes e ajudou a consolidar esse projeto, que é muito bom para o DF”, disse Elson.

Ele também agradeceu a Gim pelos recursos que chegaram ao DF graças ao trabalho do senador e que, consequentemente, abriram mais vagas no mercado de trabalho.

“É uma forma que encontramos para agradecer ao senador a luta ela liberação de recursos para o DF e o compromisso em defender os interesses dos trabalhadores e empresários de Brasília e do Brasil”, complementou o presidente do Sinduscon.

Quando teve a palavra, Gim Argello fez uma retrospectiva da sua vida pública.

Lembrou de passagens difíceis, como assumir a cadeira noSenado Federal.

“Muitos apostavam que eu não durava um mês, outros achavam que eu não passava de uma semana e ainda tinha aqueles que afirmavam que eu nem iria assumir.

Provei, com muito trabalho, que era capaz de ocupar a vaga.

Destinei recursos para a saúde do Entorno sem pensar se eu iria beneficiar governo A ou B.

O importante é que vai beneficiar o povo do Entorno e desafogar a Rede de Saúde do Distrito Federal”, ressalta Gim.

Gim Argello retribuiu o carinho dos empresários e prometeu continuar trabalhando para a melhoria do DF.

“Fizeram muitas acusações contra mim, mas eu provei tudo trabalhando e fui o quinto mais votado nas últimas eleições.

Quando se trabalha de verdade, não tem como não vencer.

Eu jamais vou envergonhar Brasília”, finalizou.

fonte: Jornal de Brasília