GO: Henrique Arantes discute situação do transporte coletivo em Goiânia

PTB Notícias 13/03/2015, 6:55


Em artigo publicado pelo Diário da Manhã nesta sexta-feira (13/3/2015), o deputado estadual Henrique Arantes (PTB-GO) aborda a situação do transporte coletivo na Região Metropolitana de Goiânia, a qual chama de precária.

Segundo o parlamentar, o problema já rendeu todo tipo de frustração e revolta à população.

Leia abaixo o artigo na íntegra: Quem responde pelo transporte coletivo na Região Metropolitana?A situação precária do transporte coletivo na Região Metropolitana de Goiânia já rendeu todo tipo de frustração e revolta à população.

A matemática deveria ser simples, mas a conta não bate: o preço da passagem aumenta e o serviço piora.

Não há carros o suficiente, os atrasos são constantes e o cidadão, que passa diariamente pelos terminais, tem que fazer prevalecer a lei do mais forte para chegar a seu destino na hora certa.

Um retrocesso da civilidade imposto a quem mais precisa do serviço: o trabalhador.

Não há um só dia em que os jornais não noticiem todo tipo de problema relacionado ao transporte público em Goiânia, Aparecida e região.

E este é um problema que atrasa o progresso muito mais do que se imagina.

Já que o sistema não funciona, o cidadão se vê obrigado a comprar um carro ou moto para conseguir realizar os trajetos do dia a dia: casa, escola, trabalho… Uma quantidade imensa de veículos particulares lotam ruas e avenidas planejadas para menos da metade da capacidade do tráfego real dessas cidades.

E não há escapatória: sobe o preço da passagem, sobe o preço do combustível e as tentativas de reestruturar as cidades para abrigar a enorme frota, apesar de louváveis, esbarram na falta de planejamento e de recursos dos municípios.

Soluções mágicas não existem.

É necessária a vigilância constante da população, da imprensa e dos representantes do povo para que o cenário mude nos próximos anos ou décadas.

Caso não haja um interesse exclusivo nesse sentido, a situação, que já é muito ruim, só tende a piorar.

Quando se faz um levantamento rápido, é fácil constatar que discussões, nesse sentido, em cidades desenvolvidas datam de décadas atrás ao redor do mundo e mesmo no Brasil, em locais como Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Goiânia e região, infelizmente, não conseguem dar um passo a frente nessa questão.

E a população é prejudicada, se sente roubada e enganada.

De quem cobrar uma solução? Ninguém quer assumir essa responsabilidade.

Sobra para os mesmos vilões de sempre: a burocracia, o governo – que pode ser federal, estadual ou municipal –, as empresas, um consórcio que não representa o cidadão.

Entidades sem rosto, impessoais, que não dão uma resposta firme a quem precisa se sujeitar à humilhação cotidiana do transporte coletivo como ele é.

Defendo a criação de um grupo na Assembleia Legislativa para cuidar exatamente da legislação sobre o transporte coletivo na Região Metropolitana.

O intuito não é apenas melhorar o serviço, mas aproximar o cidadão do que é feito de positivo para transporte coletivo em nossa metrópole.

É dar rosto para quem tenta solucionar o problema, dar autonomia para que os representantes da população no Legislativo estadual tenham voz sobre o assunto e possam realmente conseguir resolver uma questão que, se não for tratada imediatamente, se tornará um problema ainda mais gigantesco com o passar dos anos.

Nossa metrópole é jovem e acredito que, se houver boa vontade, interesse e responsabilidade, o transporte coletivo tem solução.

Obviamente, não será fácil e nem rápido, mas em um planejamento sério de longo prazo, que deve ser iniciado o quanto antes, com profissionais qualificados e parlamentares atuantes e dedicados ao bem-estar da população e ao progresso do Estado, é, sim, possível mudar essa situação.

* Henrique Arantes é historiador, deputado estadual pelo PTB e primeiro-secretário da Assembleia Legislativa de GoiásAgência Trabalhista de Notícias (LL), com informações do Diário da Manhã Foto: Y.

Maeda/Alego