” Governo federal deveria financiar universidades “, afirma Alex Canziani

PTB Notícias 15/07/2011, 16:34


As universidades estaduais do Paraná, incluindo as instituições de ensino superior municipais, devem iniciar um movimento para que o governo federal passe a lhes destinar recursos regularmente, como forma de melhorar as suas capacidades de investimento.

É a proposta apresentada hoje de manhã pelo presidente da Frente Parlamentar da Educação do Congresso Nacional, deputado Alex Canziani (PTB-PR), em uma reunião da qual participaram pró-reitores de Extensão de algumas daquelas instituições.

O encontro, na sala de Conselhos da Universidade Estadual de Londrina (UEL), teve a presença da reitora Nádina Moreno, da pró-reitora de Extensão da instituição, Cristiane Cordeiro; e dos pró-reitores Marquiana Vilas Boas Gomes (Unicentro de Guarapuava), Rogério Barbosa Macedo (Universidade Estadual do Norte do Paraná, de Jacarezinho), José Gilberto Catunda Sales (UEM de Maringá) e Gisele Alves de Sá Quimelli (da UEPG de Ponta Grossa), além de diretores de centro e pró-reitores da UEL.

“Pela Constituição, o ensino superior é de responsabilidade do governo federal, mas no Paraná a maioria das universidades é estadual”, justifica Canziani, que já se prontificou a abraçar a causa.

Segundo ele, as instituições precisam iniciar o movimento, também realizar contatos em Brasília e aproveitar a elaboração do próximo Plano Plurianual (PPA) para poder viabilizar a proposta.

“Acho muito justo o governo federal financiar todas as universidades de ensino superior”, salientou o parlamentar paranaense, que também é membro da Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados e vice-líder do Governo na Casa.

Alguns diretores da própria UEL estimam que cada aluno da instituição, por exemplo, que tem 17.

976 estudantes, custa em torno de 500 dólares mensais, valor mantido pelo Estado.

LDO APROVADA – Alex Canziani esteve na UEL para levantar algumas demandas das universidades, entre as quais a viabilização do programa “Universidade Sem Fronteiras” (USF), da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti); e especialmente para anunciar a recente aprovação, pelo Congresso Nacional, de uma emenda sua que beneficia as instituições de ensino superior municipais e estaduais na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2012, que, se for sancionada pela presidente Dilma Rousseff, exigirá apenas 1% de contrapartida das instituições para viabilizar projetos em parceria com a União.

Hoje este índice pode chegar até 25%, o que compromete o orçamento daquelas instituições ou inviabiliza importantes projetos.

Agência Trabalhista de Notícias (PB), com informações do Site do deputado Alex Canziani