Governo já reduziu déficit em 50%, afirma Crusius em painel no PTB

PTB Notícias 3/06/2007, 11:09


O Governo Yeda Crusius conseguiu, em apenas cinco meses, reduzir em 50% o déficit previsto de R$ 2,4 bilhões para este ano.

A informação foi dada na manhã de sábado, 02, no painel “A visão do Governo Yeda”, durante o 9 Seminário Estadual do PTB do Rio Grande do Sul, pelo presidente do Instituto Teotônio Villela e do Conselho de Comunicação Social do Governo, economista Carlos Crusius.

Ao lado dos secretários Luis Augusto Lara (Turismo), Fernando Schüller (Justiça e Desenvolvimento Social) e Daniel Andrade (Infra-estrutura e Logística), Crusius expôs os eixos principais da administração estadual e traduziu o “novo jeito” de governar de Yeda Crusius.

Segundo ele, o primeiro e principal objetivo do governo é o “foco no cidadão”, que deve ser visto não como um cliente, mas como um “acionista” do poder público.

A situação das contas públicas do Estado obrigou o Executivo a “fazer mais com o mesmo”, o que resultou, entre outros fatores, na redução do déficit para R$ 1,2 bilhão.

“Transparência na gestão é outra determinação, bem como a realização de orçamento realista, que só permita comprar ou contratar quando houver recurso disponível”.

A garantia de serviços ao cidadão através da eficiência gerencial, com a responsabilização de gestores pelos projetos executados, é outra pré-condição do novo governo.

“Segurança é um bem público que deve ser oferecido pelo Estado a qualquer cidadão, independente de sua condição econômica ou financeira”, exemplificou.

Na visão do secretário de Justiça e Desenvolvimento Social, Fernando Schüller, a atual administração estadual caminha “em ritmos diferentes, mas com coerência na execução do plano do governo”.

A meta do Governo, segundo ele, é zerar o déficit do Estado até o fim da gestão.

O secretário defendeu a posição da governadora de que com ajuste fiscal, modernização institucional e foco no cidadão, o governo poderá sair desta crise financeira e retomar o caminho dos investimentos.

“O mundo mudou e o Rio Grande do Sul ficou estagnado.

O estado tem que ser contemporâneo “, ressaltou ele.

O secretário de Infra-estrutura e Logística, Daniel Andrade, fez uma analogia da atuação do governo nesses primeiros meses com a construção de um edifício.

Conforme Andrade, o Estado colocou apenas as estacas para os alicerces do edifício.

“Estamos nessa fase onde ninguém vê nada, só enxergam a poeira e barulho”, disse.

Andrade lembrou que um dos melhores momentos do atual governo foi o anúncio do Governo Federal sobre a liberação de financiamento junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento, após 13 anos sem nenhum tipo de financiamento por parte da União.

As metas a curto prazo inclui a implantação de programas estruturantes, ou seja, cada secretaria terá seus programas, gerenciados pessoalmente pela própria governadora.

fonte: site do PTB – RS