Há 12 dias como prefeito, Júlio Pinheiro expõe suas ações em Cuiabá

PTB Notícias 12/07/2011, 7:17


O prefeito interino de Cuiabá (MT), vereador Júlio Pinheiro (PTB), fará uma prestação de contas hoje, 12/07, sobre os 12 dias em que está comandando a cidade.

Nesse período, a ação de maior impacto de Pinheiro foi demitir 350 servidores contratados.

O prefeito Chico Galindo (PTB) volta ao cargo na segunda-feira, 18/07.

Júlio Pinheiro vai expor suas ações de prefeito, como as propostas de municipalização do estádio Dutrinha e a criação da escola dos servidores, projetos que já foram encaminhados para a Câmara Municipal.

Com relação à demissão dos servidores, Júlio Pinheiro justificou que a medida atende a uma orientação do Ministério Público Estadual (MPE), já que esses servidores demitidos estavam há mais de quatro anos na prefeitura, quando o contratado deveria ser temporário.

A orientação do MPE é para que se realize concurso público para preenchimento das vagas.

As secretarias de Saúde, Assistência Social e de Educação são as que mais contêm servidores contratados e, por consequência, foram as mais afetas.

No ano passado foi realizado concurso para a contratação de novos professores e eles estão sendo chamados aos pouco.

Embora o prefeito Galindo tenha afirmado antes de sair que não deixou nenhuma recomendação para o substituto e que ele teria autonomia, as demissões já estavam acordadas com ele antes dele sair de férias.

Desse modo, o prefeito evita desgaste e ainda permite que o vereador, colega de partido, tenha alguma ação de impacto no período em que está no comando do Executivo.

Galindo tirou licença de 15 dias e aproveitou as férias para participar de um congresso na Universidade de Coimbra, em Portugal.

Como o prefeito não tem vice, a prefeitura passa às mãos do presidente da Câmara.

Numa “sucessão de sorte”, Júlio Pinheiro, que há um ano era apenas suplente de vereador, virou prefeito de Cuiabá por 15 dias.

O vereador ganhou a titularidade da vaga na Câmara em agosto do ano passado com a cassação do vereador Ivan Evangelista (PPS) pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), por abuso de poder econômico na eleição.

Com menos de um mês no cargo ele conseguiu articular sua eleição para a presidência da Câmara, com ajuda do prefeito Chico Galindo, que é do mesmo partido.

Agência Trabalhista de Notícias (LL) com informações do Portal O Documento