Izaias Régis cobra apoio para combate do coronavírus no Agreste Meridional de PE

Agência Trabalhista de Notícias 20/04/2020, 8:39


Imagem Crédito: Divulgação/PMG

Preocupado não apenas com o município que governa, mas também com a macro região que compões o Agreste Meridional de Pernambuco, o Prefeito de Garanhuns (PE) Izaías Régis (PTB) cobrou mais atenção dos chefes de estado, Federal e Estadual, para que o município possa instalar um grande hospital de campanha para atender pacientes da covid-19, oriundos de todo o Agreste Meridional.

O apelo do chefe do executivo ocorreu no sábado (11), durante reunião da Foco Agreste, que reuniu prefeitos e outras autoridades de todo o Estado de Pernambuco em uma espécie de gabinete de crise para o enfrentamento do coronavírus na região.

Na ocasião, o Prefeito de Garanhuns sugeriu a instalação do hospital de campanha; tendo em vista que para ele, os leitos que estão em fase de instalação aqui na cidade; a cargo do executivo estadual; não darão conta dos pacientes do coronavírus, acaso a doença se alastre. A ideia do Prefeito é que o custeio operacional da unidade de saúde a ser erguida, seja partilhado entre estado e união.

Régis também censurou os valores destinados para o município pelo Governo do Estado: R$ 14 mil e 500 reais para aquisição de Equipamentos de Proteção Individual (EPIS) para profissionais de saúde e R$ 16 mil reais para aquisição e posterior doação de cestas básicas. “Não dá pra comprar nada”, criticou o Prefeito.

A Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), e a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), também foram alvo de críticas de Izaías, tendo em vista que para ele, ambas entidades representativas estão em dívida com a população de Pernambuco; devido a fraca atuação junto aos executivos do estado e da união.

Izaias Régis ainda convocou os deputados federais para ajudarem o Agreste Meridional, destacando que a crise de saúde oriunda da disseminação do coronavírus, implica outros dilemas à população, a exemplo da estagnação da economia e a crise da fome; derivada do desemprego e da baixa produção.

Com informações do Jornal Sináculo