Jackson Barreto denuncia equívoco no Zoneamento Agrícola de Sergipe

PTB Notícias 17/03/2007, 10:18


O deputado Jackson Barreto (PTB-SE), em discurso no plenário da Câmara, denunciou a Portaria nº 35, de 2 de março deste ano, do Ministério da Agricultura, que define o Zoneamento Agrícola para Sergipe.

“A portaria deixou fora do custeio para a safra de 2007 os Municípios de Canindé de São Francisco, Poço Redondo, Monte Alegre de Sergipe, Porto da Folha e Gararu, no caso da produção de milho e feijão.

O custeio estava quase pronto e os bancos já estavam prontos para financiar”, explicou ele.

O parlamentar do PTB esteve, no último dia 10 de março, no Alto Sertão Sergipano e participou de uma reunião com os pequenos agricultores, com o MST, com órgãos técnicos dos Governos Estadual e Federal, com o Banco do Brasil, que no momento discutiam a citada portaria.

“O Alto Sertão Sergipano tem 35 mil hectares de milho.

Não houve pedidos relativos a PROAGRO no Banco do Nordeste e no Banco do Brasil.

Todos os pedidos foram indeferidos porque não tinham justificativa técnica.

Segundo o Banco do Brasil, os desvios de créditos foram exceções.

As chuvas de 2006 foram acima da média histórica.

A EMBRAPA Tabuleiros Costeiros, por intermédio do pesquisador Hélio Wilson, pesquisou e disponibilizou variedades superprecoces, que produzem com 60 dias de chuva, como catingueiro, asa branca, assum preto, cruzeta.

Todas essas informações comprovam a viabilidade técnica da cultura do milho na região”, revelou Jackson Barreto.

A região produz 60% do milho do Estado.

É a principal bacia leiteira, onde são produzidos 400 mil litros por dia, sendo o milho uma forragem extremamente importante na cadeia.

São produzidos 400 mil litros por dia.

É necessário fazer um aditivo à Portaria nº 35 de 2007 – ou revogá-la – incluindo os 5 municípios referidos, pois os bancos já bloquearam os créditos de custeio, neste momento, em que as chuvas chegaram antecipadamente.

Hoje mesmo solicitarei audiência com o Ministro da Agricultura, como já fizemos em outras oportunidades.

Tenho certeza de que esse equívoco será corrigido”, finalizou.

Agência Trabalhista de Notícias