Jefferson Campos divulga dados recentes sobre o tabagismo no Brasil

PTB Notícias 18/06/2009, 8:36


O Deputado Jefferson Campos (PTB-SP), divulgou ontem, em discurso no Plenário, dados recentes sobre o tabagismo no mundo e no Brasil.

Segundo ele, cerca de 1,2 bilhão de pessoas praticam o tabagismo no mundo, sendo que no Brasil, o número de fumantes alcança o patamar de 30 milhões.

O Deputado do PTB lembrou q ue o vício no cigarro prejudica a saúde do indivíduo porque compromete o fluxo de sangue para os ovários, altera a produção de estrogênio e pode antecipar a menopausa na mulher; impotência sexual no homem; e, afeta o raciocínio, a memória e a capacidade de resolver os problemas e acelera o envelhecimento.

Segundo especialistas, as toxinas do fumo dobram os riscos de ter diabetes, danificam as artérias, provocando várias doenças cardiovasculares, especialmente infarto e derrame cerebral.

Também estão associadas a nove tipos de tumor: de pulmão, boca, faringe, laringe, pâncreas, bexiga, rins, colo de útero e esôfago.

“Não é só o cheiro do cigarro que fica impregnado no corpo de quem fuma.

As mais de 4.

700 sustâncias tóxicas liberadas em sua fumaça são absorvidas pela boca, passam pela garganta e descem até os pulmões.

Lá, misturam-se ao sangue e são espalhadas por todo o organismo.

O efeito é rápido.

Nove segundos após a primeira tragada, a nicotina, considerada uma droga psicoativa pela Organização Mundial da Saúde, chega ao cérebro.

Na mesma hora, o corpo recebe uma descarga de prazer, mas paga um alto preço pelo bem-estar”, disse Campos.

O Deputado divulgou ainda que, segundo estudos, cerca de 50% tentam parar de fumar no mínimo três vezes, sem sucesso, 73% tentam abandonar o vício pelo menos uma vez e 69% dos fumantes não conversam com seus médicos sobre o tabagismo, apesar de 34% se sentirem culpados e 24% têm vergonha de fumar.

“Parar de fumar é uma decisão do fumante, ele tem que querer parar”, afirmou ele.

“Cumprimento à atitude da Igreja, do Ministério da Saúde, de inúmeras entidades e dos movimentos de jovens que advertem sobre o perigo da prática do tabagismo no Brasil, porque crianças que convivem com pais fumantes têm maior risco de desenvolver infecções de diversos tipos e os fumantes vivem, em média, dez anos a menos que os não fumantes”, concluiu o Parlamentar do PTB.

* Agência Trabalhista de Notícias