Jefferson Campos enaltece 61 anos do estabelecimento do Estado de Israel

PTB Notícias 1/07/2009, 8:29


O Deputado Jefferson Campos (PTB-SP), comentou ontem, 30/06, em discurso no Plenário, os 61 anos do estabelecimento do Estado de Israel.

Segundo o Deputado, não se pode esquecer que além de Estado, Israel é um povo com uma saga milenar.

“Grande parte dessa história está na Bíblia Sagrada; a outra, os registros da História mostram: um povo perseguido, subjugado, obrigado a dispersar-se pelo mundo, mas perseverante, aguerrido, determinado a se estabelecer na terra de seus patriarcas, Abraão, Isaac e Jacó.

Mesmo exilado, disperso, o povo judeu não se rendeu.

Manteve seus princípios, sua cultura e sua fé inabalável na possibilidade de retorno à Terra Prometida e de conquista definitiva da liberdade política.

Essas convicções fizeram crescer o movimento sionista que, a partir do final do século XIX, congregou definitivamente os judeus em torno da luta pela reconstrução de sua pátria”, explicou Jefferson Campos.

O Deputado do PTB lembrou também episódios como o Holocausto, em que morreram mais de 6 milhões de judeus.

“Como se vê, o estabelecimento do Estado de Israel, há 61 anos, representou a independência de um povo, a reparação de um processo de injustiça que se arrastou por séculos, por milênios.

Enquanto durava a luta, especialmente a partir do século XIX, muito se fez no sentido de preparar o Estado que se gestava.

Por exemplo, o reavivamento do hebraico, da cultura, os inúmeros estudos científicos e pesquisas em busca de soluções para território de condições tão adversas.

Terminada a Segunda Guerra, diante do genocídio sem precedentes, da agressão, sem direito de defesa, a um povo sem terra e sem pátria, o mundo se deu conta, enfim, da urgência de que não mais fosse postergada a reconstrução do elo histórico entre o povo judeu e a terra de Israel.

Isso significou a partilha da Palestina, a criação do Estado de Israel, a 16 de setembro de 1947, em sessão presidida por nosso grande estadista, Oswaldo Aranha, então Secretário Geral da Organização das Nações Unidas (ONU)”, disse Campos.

“Hoje, Israel representa a síntese dessa história, viva numa sociedade composta por comunidades multiétnicas, numa cultura que, ao mesmo tempo em que reaviva a tradição e busca a reconstrução da identidade milenar, abriga povos vários, com diferentes idiomas, religiões, hábitos e costumes, além de possibilitar cidadania a mulheres e populações comumente marginalizadas.

Em paralelo, mantém um fluxo constante de comunicação internacional via satélite, incorpora e valoriza elementos atuais e plurais.

Ali, há uma efervescência cultural: literatura, teatro, concertos, seminários, fóruns, programas de rádio e televisão, espetáculos os mais variados, museus e galerias, para todos os gostos e interesses.

Comemorar o aniversário do Estado de Israel é reconhecer essa história, essa realidade.

Que seja reconhecido por todos o Estado constituído há 61 anos”, concluiu o Parlamentar do PTB.

* Agência Trabalhista de Notícias