Jefferson fala sobre o depoimento de Pagot e mudanças no transportes

PTB Notícias 12/07/2011, 15:11


Leia abaixo comentários do Presidente Nacional do PTB, Roberto Jefferson, publicados em seu blog na internet (www.

blogdojefferson.

com) nesta terça-feira (12/07/2011): O anticlímax O governo montou uma operação de guerra como há algum tempo não se via para não escorregar em qualquer casca de banana que porventura o ainda diretor do Dnit, Luiz Antônio Pagot, jogasse pelo caminho – mas elas não vieram.

Ao mesmo tempo, agiu para rejeitar em bloco todos os requerimentos que convocassem autoridades do governo ou do PT para explicar casos de corrupção, como o dos aloprados.

Operação de guerrilha bem executada por Romero Jucá (PMDB), o mesmo que o PT quer afastar da Liderança do Governo no Senado.

Pagot prometeu, mas não entregou.

“Ministra” dos TransportesA presidente Dilma não para de surpreender no episódio que envolveu o PR no Ministério dos Transportes.

Assim que as denúncias de cobrança de propina no ministério foram publicadas, ela atirou a cúpula da pasta pela janela, incluindo os chefes do Dnit e da Valec – excluído o ministro, Alfredo Nascimento; em seguida, convidou o secretário-geral da pasta, Paulo Sérgio Pereira Passos, para uma reunião à revelia do ministro que, sentindo o golpe, pediu para sair, ao mesmo tempo em que era alvejado por novas denúncias, desta vez envolvendo seu filho.

Num novo lance, Dilma “convidou” o senador Blairo Maggi, um dos caciques do partido, para assumir o lugar de Nascimento, creio que já sabendo que ele não poderia aceitar a oferta, pois tem “ligações carnais” com o ministério.

Ontem, veio a pá de cal: surpreendeu o PR, que se reuniria amanhã para indicar um nome para a vaga de Alfredo Nascimento, efetivando o interino Paulo Passos como titular.

A decisão não seria tão surpreendente se menos de uma hora antes ela não tivesse conversado com o senador Blairo por telefone, ocasião em que este recusara formalmente o convite para assumir o cargo.

Detalhe: Dilma nada comentou com ele.

Pelo que se vê, o caso Palocci, em que Dilma Rousseff demorou a agir, fez escola.

Discordo, porém, do fato de a presidente ter efetivado um secretário-geral que está há anos no cargo, e ainda por cima é dos quadros do PR.

Pode até ser bom técnico e burocrata, mas não convence.

Tenho pra mim que o Ministério dos Transportes não tem um novo ministro, mas uma nova ministra: Dilma Rousseff.

Ficou do jeito que ela gosta.

Brasileiros agradecemAlém de ver frustrado o leilão do trem-bala (uma obra inoportuna neste momento), os contribuintes brasileiros tiveram outras boas notícias neste começo de semana.

Segundo o colunista Ancelmo Gois, o governo federal, leia-se Dilma Rousseff, decidiu que não mais participará da operação de fusão entre os grupos Pão de Açúcar e Carrefour, que daria origem ao Carrepão.

O BNDES iria aportar um total de R$ 4,5 bilhões para viabilizar a fusão, mas devido à forte reação negativa da opinião pública, o governo deu pra trás.

Os contribuintes agradecem por não verem o dinheiro de seus impostos financiando negócios bilionários que só favorecem grandes empresários companheiros.

Alvo umA presidente Dilma decidiu que o melhor é o BNDES puxar o carro e, de fininho, sair do imbróglio em que se transformou a compra do Carrefour pelo Pão de Açúcar.

A decisão veio antes tarde do que nunca, mas não foi rápida o suficiente para abortar uma investigação do Ministério Público Federal de Brasília não só sobre o envolvimento do banco na fusão, mas também podendo abarcar toda a carteira de investimentos e empréstimos do BNDES a empresas privadas.

Instaurada há cinco dias, a investigação foi noticiada apenas ontem, pelo próprio MPF em seu site, após a expedição de ofícios ao BNDES e à Controladoria-Geral da União.

Agora a fusão sonhada por Abílio Diniz custará ao BNDES bem mais do que R$ 4 bilhões.

Alvo doisO que mais chama a atenção na investigação sobre o BNDES promovida pelo MPF é, contudo, o ofício expedido à CGU.

Ao invés de encaminhá-lo ao ministro-chefe, Jorge Hage, o MPF optou por questionar o secretário de Controle Interno da pasta, Valdir Agapito Teixeira.

O MPF quer saber só uma coisa da CGU: ela “já realizou auditoria no BNDESPar para esquadrinhar os financiamentos concedidos a empresas privadas”? Ou seja, fez o seu trabalho? Hage já havia virado alvo em potencial do MPF no escândalo dos Transportes, acusado pela oposição exatamente de não ter feito seu trabalho.

Somando dois mais dois, dá para apostar, com segurança, que a batata de Hage está assando.

Voando por foraO tema aeroportos está voando por fora e pode, logo logo, virar um problemão para o governo, ainda maior do que é hoje.

O Ministério Público Federal de São Paulo ofereceu denúncia apontando três responsáveis, em razão de imprudência, pela maior tragédia da aviação brasileira, o acidente com o Airbus da TAM em 2007.

Além de dois diretores da companhia aérea, também Denise Maria Ayres Abreu, então diretora da Anac, está sendo acusada de imprudência, tanto por ter liberado a pista do aeroporto de Congonhas depois da reforma sem as necessárias ranhuras, como por ter feito a liberação sem realizar uma inspeção.

A tragédia que deixou 199 mortos acaba de cair no colo do presidente Lula.

Semelhanças e coincidências”Especializado em escândalos políticos ou de alcova, destruição de reputações, furos sensacionalistas.

” Assim Vladimir Saflate descreve o tablóide inglês “News of the World”, na “Folha” de hoje, que fechou as portas no domingo depois de descoberta a maneira peculiar com que conseguia seus furos de reportagem – grampos ilegais.

O apagar das luzes naquela redação, hoje cena de crime, trará, como consequência, a discussão sobre o papel da imprensa e seus limites legais e éticos, que já se ensaia nos editoriais de todo o mundo, inclusive do Brasil.

O “News of the World” está do outro lado do oceano, mas sua descrição não fica tão longe assim daqui.

Você consegue lembrar-se de alguma revista ou jornal brasileiro “especializado em escândalos políticos” e em “destruição de reputações”? As semelhanças são, na verdade, perigosas coincidências.

Vai ter estádio?De acordo com a coluna Poder Online, do jornalista Tales Faria, o ministro do Esporte, Orlando Silva, faz suspense sobre a cidade brasileira que abrigará o jogo de abertura da Copa de 2014, mas aos aliados declara que a disputa está resolvida: São Paulo já pode se preparar para a partida de estreia do Mundial, no Itaquerão, o futuro estádio do Corinthians.

Tudo muito bom, tudo muito bem, a única dúvida é saber se o estádio estará pronto até lá, pois faltando menos de três anos para a tal partida inicial, o Itaquerão ainda está na fase da terraplenagem.

De mais a mais, recentemente o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, teria dito a políticos que a abertura seria no Mineirão, em Belo Horizonte.

Recomenda-se, portanto, cautela antes de anúncios sobre partidas da Copa.

Em primeiríssimo lugar, é preciso saber quais estádios estarão 100% prontos para receber os jogos da competição.

Boa, capitão!Por falar em futebol, destaco abaixo frase do capital da Seleção Brasileira, que em entrevista ontem, na Argentina, espanou geral e bateu duro no corpo mole de alguns de seus companheiros:”O símbolo que está na frente da camisa da seleção é mais importante do que o nome que está escrito na parte de trás dela.

“Parabéns, Lúcio, por seu bonito exemplo de dedicação e pela oportuna cobrança por seriedade, comprometimento com os torcedores etc.

Só o que se vê hoje nos jovens e milionários jogadores de futebol é a disposição para jogadas individuais, cortes de cabelo exóticos e outros tipos de jogadas de marketing.

Aquele antigo orgulho que se via em quem vestia a amarelinha parece mesmo coisa do passado, em meio a este novo mundo de carrões, mulheres, mansões e contratos publicitários milionários que cercam os grandes craques.