João Vicente Claudino protesta contra evasão escolar na educação básica

PTB Notícias 13/07/2009, 13:29


A educação básica de qualidade visando o desenvolvimento do país e a formação de cidadãos conscientes de seus direitos e deveres foi tema de pronunciamento feito pelo senador João Vicente Claudino no Senado.

Na ocasião, o petebista destacou os avanços e os pontos em que a classe política nacional ainda precisa centrar forças.

“É bem verdade que conseguimos lograr nas últimas décadas algumas vitórias significativas.

A maior de todas, quero crer, é a quase universalização do acesso ao ensino fundamental.

Hoje, a rigor, estatísticas confiáveis apontam para o universo de cerca de 97,5% das crianças na idade escolar matriculadas nesse nível de ensino, o único, aliás, de caráter constitucionalmente obrigatório.

Todavia, ainda estamos muito distantes da desejável e necessária universalização do acesso e da permanência dos alunos nesses dois outros níveis que compõem a educação básica”, afirmou o parlamentar.

Segundo trabalho apresentado pela Fundação Getúlio Vargas, a partir de dados da mais recente Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios –PNAD, realizada pelo IBGE, demonstra que apenas 2,5% dos brasileiros em idade escolar do ensino fundamental, estão efetivamente fora de sala de aula.

Contudo, durante sua fala, o senador petebista destacou que o dado analisado de forma isolada esconde uma triste realidade, que são os altos índices de evasão escolar.

Para João Vicente, é absurdamente elevada a taxa de evasão e de repetência em nosso sistema educacional.

Por isso, estima-se que, em torno de 17,7% de nossas crianças em idade escolar, em vez dos 2,5% oficialmente admitidos, estejam fora da escola.

“A verdade é que a escola não está conseguindo dialogar com a imensa maioria dos alunos que recebe.

Na prática, dois mundos por demais diferentes, antagônicos até, buscam conviver no mesmo espaço escolar.

Previsivelmente, esse encontro está fadado ao fracasso”, afirma o senador, que acredita ser necessário um maior envolvimento do governo no combate a esse problema.

Segundo ele, o sistema escolar precisa ser revisto e até mesmo reinventado.

Isso é demonstrado pelos índices de evasão, fato que demonstra que a escola não é um lugar atrativo para a nossa infância e, especialmente, para a juventude que acaba abandonando os bancos escolares por não se identificar com a sistemática proposta pelo sistema educacional do país, que nem sempre leva em conta o contexto social em que está inserido.

Assim, o senador encerrou reafirmando a necessidade da classe política voltar seus esforços para a melhoria da qualidade da educação.

“Penso ser exatamente esse o ponto sobre o qual devemos lançar nosso olhar e nossas mais sinceras inquietações.

Centremos nossa reflexão na educação básica.

No mundo contemporâneo, não há caso algum de país que tenha atingido índice satisfatório de desenvolvimento, sem antes oferecer ao conjunto de sua população uma educação básica de qualidade”.

E frisou ainda que o Brasil ainda não foi capaz de profissionalizar verdadeiramente o magistério.

Como proposição, o petebista defendeu a adoção da educação integral, onde os alunos poderiam fica mais tempo na escola e desenvolver uma série de atividades voltadas para o crescimento destes como cidadãos.

E encerrou com um questionamento: “Não teria chegado a hora de o Governo Federal superar as funções supletivas que até agora desempenha e assumir, concreta e objetivamente, o papel de grande financiador da educação básica?”, finalizou o senador do PTB piauiense.

fonte: jornal Diário do Povo (PI)