João Vicente Claudino quer o apoio do governador Wellington Dias em 2010

PTB Notícias 1/01/2008, 11:50


A candidatura do senador petebista João Vicente Claudino a governador do Estado do Piauí em 2010 já se tornou pauta nas rodas políticas e na imprensa.

Pessoalmente, João Vicente não admite a candidatura, mais pelo fato de não precipitar especulações do que por falta de condições favoráveis ao feito.

Ao jornal DIÁRIO DO POVO o senador afirmou que se o cenário político permanecer o mesmo, a sua candidatura será viabilizada e antecipou que quer o apoio de toda a atual base aliada do governo.

Questionado sobre se queria o apoio de Wellington Dias a sua virtual candidatura em 2010, João Vicente emendou: “Sim, claro, não tenha dúvida”.

E continuou: “Eu acho que a gente não disputou só uma campanha, se estivemos juntos no mesmo palanque é porque nós entendíamos que o projeto que Wellington propunha ao Estado do Piauí era o melhor para o Estado, então eu acho que as forças são aquelas que foram formalizadas ou aquelas informais dentro dos partidos que não puderam se formalizar, não tenha dúvida de que nós queremos fazer o possível”.

As palavras de João Vicente deixam claro duas perspectivas para a campanha de 2010 rumo ao Palácio de Karnak.

O petebista vai usar a continuidade do projeto político proposto por Wellington Dias em 2003 e o modelo de colisão adotado pelo PT em 2006.

Quando falou em apoio, João Vicente foi claro.

Ele quer ao seu lado, além de Wellington Dias, que será candidato a senador, os demais partidos da base aliada e os políticos, que mesmo pertencendo a partidos de oposição já atuam no governo do estado.

Na entrevista o senador deixa claro que sua candidatura em 2010 é uma fruta verde, mas que está ficando madura a cada dia, premeditada e bem calculada.

João Vicente enumerou as razões e condições que vão permitir a oficialização de sua entrada na disputa pela chefia do Executivo.

“Depende de vários fatores, do meu próprio trabalho como político, que recebi essa missão de representar o Piauí, depende do resultado das eleições de 2008, depende do projeto que será construído, da coligação de forças, da própria reforma política.

A gente não pode negar que se mantiverem no mínimo as condições atuais”, finaliza o senador petebista.

fonte: Jornal Diário do Povo (PI)