João Vicente reclama continuidade no socorro às vítimas da seca no Piauí

PTB Notícias 20/06/2012, 17:40


O senador João Vicente Claudino (PTB-PI) se mostrou preocupado, nesta quarta-feira (20/6/2012), com as consequências da seca no Piauí.

O senador disse que 150 municípios foram atingidos e apontou problemas de logística no socorro às vítimas da seca.

Segundo ele, os carros-pipa não estão atendendo a população de forma continuada.

Além disso, mais de 90% da produção agrícola do estado se perderam, o que gera inflação, encarecendo, principalmente, a cesta básica.

Depois de visitar os locais atingidos, o senador disse ter solicitado audiência na Secretaria Nacional de Defesa Civil para buscar soluções no socorro aos que sofrem com a falta de água.

João Vicente disse que os municípios recebem ajuda por 10 a 15 dias e posteriormente passam de 20 dias a um mês sem qualquer atendimento às suas necessidades.

“Vamos cobrar para que esse atendimento seja atualizado.

O atendimento é através do carro-pipa, que é uma figura que eu acho que poderíamos ter diminuído da face do nosso semiárido nordestino, mas ainda temos de conviver com ele”, afirmou o petebista.

João Vicente disse que atividades como a criação de ovinos e caprinos, a pecuária e a apicultura sofrem um abalo intenso por causa da seca.

Com a falta de água, o senador explicou que os criadores de ovinos e caprinos têm de vender seus animais em mercados mais próximos, a preços subvalorizados.

“O flagelo da seca vai mudar de maneira decisiva a face econômica do meu estado.

Está ferindo de morte a esperança do povo do Piauí”, lamentou.

O senador disse que o socorro dos carros-pipas deve ter um caráter contínuo.

Ele afirmou que a preocupação maior é com o segundo semestre, quando começa o verão.

“Preocupo-me com a cajucultura, uma atividade econômica importante.

O Piauí é o maior produtor de caju do Brasil.

Essa atividade estará comprometida se não houver uma mudança do clima, nesse segundo semestre.

Se não fizermos algo, de maneira rápida, célere, vamos condenar grande parte do nosso povo a esse futuro árido”, apontou.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da Agência SenadoFoto: Waldemir Barreto/Agência Senado