Jorge Côrte Real: comissão aprova criação de área de livre comércio em município paranaense

PTB Notícias 14/09/2016, 8:15


Imagem Crédito: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

[vc_row][vc_column][vc_column_text css=”.vc_custom_1473851472431{margin-bottom: 0px !important;}”]Por recomendação do deputado Jorge Côrte Real (PTB-PE), a Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços da Câmara dos Deputados aprovou a criação de uma área de livre comércio em Barracão, município localizado no sudoeste do Paraná, próximo à fronteira com a Argentina e à divisa com Santa Catarina.

A medida está prevista no Projeto de Lei 2096/15 do deputado João Arruda (PMDB-PR), e recebeu parecer pela aprovação do relator na comissão, Côrte Real.

O parlamentar pernambucano concordou com o objetivo de promover o desenvolvimento econômico e social do município e das regiões fronteiriças e de incrementar as relações com os países vizinhos, segundo a política de integração latino-americana.

“Uma área de livre comércio em Barracão estimulará a vocação tecnológica e industrial da cidade. Além disso, a redução da carga tributária incidente sobre os bens consumidos na região aumentará a competitividade do comércio local, submetido a uma concorrência desleal do outro lado da fronteira”, observou Côrte Real.

Regras

Pelo projeto, a entrada de mercadorias estrangeiras em Barracão se dará com a suspensão do Imposto de Importação (II) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), desde que essas mercadorias sejam destinadas:

– ao consumo e venda interna na Área de Livre Comércio de Barracão;

– ao beneficiamento, em seu território, de pescado, couro, leite e matérias primas de origem agrícola ou florestal;

– à agropecuária e à piscicultura;

– à instalação e à operação de atividades de turismo e serviços de qualquer natureza;

– à estocagem para exportação ou reexportação para o mercado externo;

– à industrialização de produtos em seu território, conforme projetos aprovados pelo Poder Executivo; ou

– à internação como bagagem acompanhada de viajante residente.

O texto deixa claro, no entanto, que a saída de mercadorias estrangeiras da Área de Livre Comércio de Barracão para o restante do território nacional é considerada, para efeitos fiscais e administrativos, como importação normal.

Estão excluídos dos benefícios fiscais: armas e munições; veículos de passageiros; fumo e derivados. As isenções e benefícios da Área de Livre Comércio de Barracão serão mantidos por 20 anos.

Tramitação

A proposta, que tramita em caráter conclusivo, será analisada ainda pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. O texto já havia sido aprovado pela Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia.

Com informações da Agência Câmara Notícias[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]