José Geraldo critica reajuste dos valores de obras estaduais

PTB Notícias 22/06/2007, 9:22


O deputado estadual José Geraldo (PTB/TO) fez pronunciamento, na sessão desta quarta-feira (20/06), sobre o número de apostilamento das obras realizadas pelo governo estadual, bem como o número excessivo de dispensas de licitação publicadas no diário oficial.

“É preocupante a quantidade de obras que se arrastam anos a fio sem conclusão e o número de placas, em anos eleitorais, que são lançadas, pelo Estado” criticou o petebista.

O deputado apresentou como exemplo, o trevo de acesso da entrada de Paraíso, lançado no primeiro semestre do ano passado, mas que não teve suas obras iniciadas.

Outro destaque, segundo José Geraldo, é o Projeto Manoel Alves Grande, desenvolvido no sudeste do Estado, com recursos do Governo Federal, e que teve um reajuste de preço no dobro do valor inicial, passando de R$ 71.

478.

445,03 para R$ 117.

340.

424,27.

Segundo o deputado, o diário oficial, do dia 8 de Junho, apresenta apostilamento de um contrato de 1988, e que já teve a obra concluída.

“Chega as minhas mãos uma relação de apostilamento, de contratos de 1997, 1998, 2000, 2001, 2002, na monta de R$ 174.

197.

770,41 dos quais, segundo esse documento, R$ 71.

328.

075,73 já foram pagos”.

O parlamentar acredita que é de fundamental importância trabalhar a matéria exaustivamente, para que no, futuro, o tocantinense não venha presenciar obras se arrastando por anos, e mais tarde ter que pagar reajustamento de preço de uma obra já concluída.

José Geraldo destacou que a Secretaria da Infraestrutura do Estado, exige um pré projeto com valores e prazos, das concorrentes, para participar das licitações, porém, chega a ser incoerente, após o término da obra, um reajuste de até três vezes o valor inicial a ser pago pelo governo estadual.

“Não existe então, uma lógica, num país com inflação controlada, um reajustamento de preço de quase 100%, no prazo de quatro anos” completou.

O petebista, ainda, lembrou que recebeu, durante a Assembléia Participativa de Paraíso, um documento do presidente do CA do curso de direito Mário Coelho, cobrando a conclusão da obra da Casa do Estudante, no município.

Ele, também, solicitou estudos para que possam ser corrigidas as distorções que existe quanto ao apostilamento, e enfatizou que “esses recursos que estão sendo gastos com reajustes, poderiam ser investidos em novas obras”.

A base do governo, na Assembléia Legislativa, ainda rejeitou requerimento do deputado José Geraldo, que solicitava explicações sobre os motivos pelos quais os serviços cardiovasculares e de hemodinâmica não estão sendo diretamente feitos pelo HGP, Hospital Geral de Palmas.

O parlamentar que tem chamado atenção para os diversos problemas encontrados na saúde do Estado, desde o início da legislatura, afirma estar preocupado com os rumos que a problemática vem tomando.

Agência Trabalhista de Notícias