Jovair Arantes exige retirada urgente de brasileiros que moram no Líbano

PTB Notícias 21/07/2006, 16:54


O deputado federal Jovair Arantes, do PTB de Goiás, em conversa com o Portal do PTB, manifestou sua preocupação com a situação dos brasileiros que moram no Líbano, e que estariam sendo vítimas dos ataques de Israel àquele país, que já envolvem um número de vítimas civis brasileiras jamais visto em um conflito armado desde a Segunda Guerra Mundial.

Para o deputado, o governo brasileiro precisa agir imediatamente, já que sete brasileiros já foram oficialmente reconhecidos como mortos no conflito, e esse número pode ser ainda maior, já que não há confirmação oficial do balanço de feridos e nem sequer do número de brasileiros que vivem no Líbano.

“O governo brasileiro precisa envidar todos os esforços possíveis pra retirar os brasileiros do Líbano, e rapidamente.

E tem que procurar estratégias alternativas para essa retirada, pois não existem vôos de carreira do Brasil para o Libano, e mesmo se houvesse, os aeroportos estão sendo destruídos naquele país.

O governo tem que agir, e imediatamente”, afirmou o deputado.

Jovair Arantes lamenta pelos brasileiros que foram mortos ou que estão feridos pelo conflito, e protesta contra a demora na ação da representação diplomática brasileira no exterior, que sempre se mostra tímida e confusa quando se trata de proteger os interesses dos brasileiros que moram fora do País.

“Essa situação é uma das mais graves já enfrentadas por brasileiros no exterior nos últimos anos.

E novamente percebemos a falta de ação rápida e organizada para solucionar os problemas.

A ajuda é sempre a pior possível.

Eu testemunhei pessoalmente essa lentidão naquele caso dos dentistas brasileiros em Portugal.

Foi um episódio em que profissionais brasileiros estavam recebendo o pior tratamento possível, e a atuação da diplomacia brasileira foi muito fraca para contornar rapidamente o problema.

Agora, temos milhares de brasileiros precisando de ajuda no Líbano, por isso não podemos repetir os erros do passado.

Temos que agir com a maior eficácia e agilidade possíveis”, afirmou o deputado Jovair Arantes.

Os confrontos na região começaram quando Israel iniciou ataques ao sul do Líbano e à capital, Beirute, em resposta ao ataque do Hezbollah em Israel – em que oito soldados israelenses foram mortos, e dois, capturados, no último dia 12.

O Hezbollah também tem lançado mísseis contra Israel, quer quer expulsar a milícia da região e passá-la ao controle do governo libanês.

Em meio ao confronto entre Israel e a milícia xiita do Hezbollah, mais de 700 brasileiros aguardam ajuda nas embaixadas do Brasil em Amã, capital da Jordânia, Damasco, capital da Síria, e Beirute, capital do Líbano, segundo o Itamaraty.

De acordo com a Cruz Vermelha Internacional, 700 mil libaneses tiveram de deixar suas casas desde que Israel começou a bombardear o país.

E como os bombardeios não têm cessado, a ajuda às vítimas não consegue chegar aos feridos.

Para que possa ser dada ajuda às vítimas, esse bombardeio precisa parar.

Para a Cruz Vermelha, deveria haver pelo menos um cessar-fogo humanitário, para permitir que fosse prestada assistência humanitária à população.

Milhares de estrangeiros residentes no Líbano já deixaram o país, inclusive muitos brasileiros, mas pouca assistência foi oferecida aos civis libaneses.

O bombardeio israelense segue incessante e, com ele, o deslocamento de civis.

Os custos de combustível e transporte aumentam à medida que famílias tentam encontrar refúgios.

Milhares de pessoas estão fugindo do país pela fronteira com a Síria.

O deputado Jovair Arantes disse que estará nos próximos dias acompanhando os desdobramentos do conflito, e cobrando da diplomacia brasileira o rápido atendimento não só aos brasileiros que procuraram a embaixada brasileira para conseguirem voltar ao Brasil, mas também aos que estão desabrigados no Líbano, aos que estão nos hospitais e nos centros de apoio.

Agência Trabalhista de Notícias