Kiki Bispo diz que transporte por aplicativos deve atender interesse do cidadão

Agência Trabalhista de Notícias 28/08/2019, 9:22


Imagem Crédito: Divulgação

A regulamentação do transporte por aplicativos segue gerando polêmica entre governistas e oposicionistas na Câmara Municipal de Salvador (BA). Para o vereador Kiki Bispo (PTB), a proposta deve passar necessariamente pelos interesses dos cidadãos. Segundo o parlamentar, o grande debate envolvendo a matéria, que deverá ser apreciada nesta quarta-feira (28), passa pela limitação ou não da quantidade de motoristas por aplicativos que circularão na capital baiana. Atualmente, a cidade tem mais de 24 mil motoristas por aplicativos cadastrados e 7 mil taxistas.

“Defendo a limitação porque precisamos fazer um regramento igualitário. Para se ter ideia, eu fui procurado pelos táxis especiais, e eles pagam para circular tanto no aeroporto quanto na rodoviária. No entanto, os táxis convencionais e os aplicativos exploram de forma muito clara os aeroportos. Eles vieram nos procurar, buscando uma adequação na legislação dos próprios táxis, para que eles possam ter o mínimo de competitividade. Então acredito que a Câmara precisa, sobretudo, fazer um regramento igualitário, para que a gente não acabe privilegiando nenhuma categoria”, defendeu Kiki.

O petebista acredita que o projeto, de autoria do Poder Executivo, já foi aprimorado na Casa. “Avançamos muito na questão do certificado para os motoristas, dos antecedentes criminais, por exemplo. A Câmara tem se debruçado para encontrar o melhor caminho e amanhã possamos aprovar um projeto não pelos aplicativos, não pelos taxistas, mas pelos cidadãos de Salvador”, declarou.

Com informações da Câmara Municipal de Salvador