Landim aponta sugestões de João Paulo dos Reis Velloso contra crise

PTB Notícias 8/06/2009, 12:54


Na avaliação do deputado Paes Landim (PTB-PI), o economista e por duas vezes ministro do Planejamento (de 1969 a 1979), João Paulo dos Reis Velloso, nascido em Parnaíba (PI), é um dos maiores pensadores do Brasil da atualidade.

Ao lembrar que Reis Velloso foi um dos criadores do Plano Nacional de Desenvolvimento, Paes Landim relatou que, preocupado em desenvolver o Brasil, o economista foi o grande responsável, junto com Roberto Campos, pela formatação de um Estado moderno.

“Tanto é assim que, no final dos anos 70, o Brasil era o mais moderno entre os chamados países do Terceiro Mundo, da América Latina, da África e da Ásia, tal a visão de planejamento, de desenvolvimento e de modernidade que homens do seu porte, como Roberto Campos, Mário Henrique Simonsen e Delfim Neto, introduziram na gestão pública do Brasil”, afirmou.

Paes Landim citou o XXI Fórum Nacional, criado por Reis Velloso em 1985 e cuja última edição ocorreu em maio último no Rio de Janeiro, que teve como tema a crise global, o novo papel mundial dos BRICs (Brasil, Rússia, Índia e China) e as oportunidades do Brasil.

Para a realização do eevento, disse, o economista elaborou o “Caderno de Fórum Nacional nº 8”, no qual sugere um plano de ação contra a crise.

No texto, o economista avalia a crise como um estímulo a gerar oportunidades, riquezas, investimentos e tecnologias ao País.

Na interpretação de Reis Velloso em no estudo, é importante “construir uma parceria governo-setor privado, com liderança presidencial, que conduza o Brasil durante a crise, preservando um certo crescimento e o emprego, e permitindo o aproveitamento de algumas oportunidades estratégicas”.

Entre essas oportunidades, ele cita o uso do pré-sal para transformar o Brasil em um dos grandes players do mundo do petróleo; e o desenvolvimento da bioenergia.

Uma ação essencial e imediata para fazer da crise uma oportunidade de crescimento, sugerida pelo economista, é garantir crédito interno e externo ao setor produtivo para a preservação de empresas, realização de investimentos e garantia de empregos.

“Oxalá que os trabalhos do Fórum Brasil e que seus trabalhos fora do fórum sejam lidos e refletidos por todos que pensam o Brasil, no setor público ou no setor privado”, concluiu Paes Landim.

fonte: Jornal do Senado