Landim relata participação em assembleia dos povos de língua portuguesa

PTB Notícias 26/05/2009, 13:48


O deputado Paes Landim (PTB-PI) fez um relato da recente viagem à África portuguesa de uma delegação parlamentar brasileira chefiada pelo 1º vice-presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-RS), e integrada pelos deputados José Fernando Aparecido de Oliveira (PV-MG), Janete Rocha Pietá (PT-SP) e Vilson Covatti (PP-RS), além do próprio Landim.

Eles participaram da Assembleia Parlamentar dos Povos de Língua Portuguesa, que reuniu-se em São Tomé e Príncipe.

Landim lembrou que essa Assembleia teve origem no Fórum dos Parlamentos de Países de Língua da Portuguesa, que realizou seis reuniões anteriores, uma delas em Brasília, “que teve um brilho todo especial pelo apoio do também à época presidente do Senado José Sarney, homem apaixonado pelos vínculos do Brasil com Portugal e com o mundo da língua portuguesa”.

No decorrer dos debates em São Tomé e Príncipe, Paes Landim informou ter proposto que a Assembleia instale sedes fixas, ou pelo menos secretariados permanentes, em Montevidéu, no Uruguai, e em Estrasburgo, na França, a fim de reforçar seus vínculos com o Mercosul e com o Parlamento Europeu.

A sugestão não foi aprovada.

O presidente da Assembleia de Portugal, deputado Jaime Gama, informou Landim, ponderou que, se o Brasil se dispusesse a financiar o escritório do secretariado permanente, seria justo que seu pleito fosse atendido.

Ele acrescentou que Jaime Gama mostrou a inviabilidade prática da proposta, a menos que surgisse uma possibilidade de financiamento permanente.

Liderança – Paes Landim disse que concordou com as ponderações de Jaime Gama e desistiu da proposta.

“Mas estou certo de que necessitaremos, no Parlamento brasileiro, de um mecanismo institucional que nos deixe sempre em contato permanente com as assembleias dos demais países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), a fim de que o Brasil venha a ter um papel de liderança e contribua para resgatar a sua divida social para com aqueles povos”, afirmou Landim.

Ele acrescentou que a diplomacia parlamentar pode ajudar o Estado brasileiro a desenvolver uma estratégia de presença mais atuante perante os povos africanos de língua portuguesa.

Landim citou que a República Popular da China, “com sagacidade”, doou os prédios dos parlamentos de Cabo Verde, de São Tomé e Príncipe, e de Guiné-Bissau, tendo em vista as dificuldades financeiras desses países à época da descolonização.

Fato gratificante da assembleia da qual participou, relatou Landim, foi a aprovação de um louvor à memória do ex-deputado brasileiro José Aparecido de Oliveira, que foi um dos inspiradores da criação da CPLP.

fonte: Jornal do Senado