Laura Carneiro propõe sanitários adaptados para ostomizados no Rio

PTB Notícias 20/09/2013, 16:18


Trabalhar pela melhoria da saúde pública de uma cidade é tarefa que requer perseverança.

As necessidades são muitas, o orçamento é pouco e a burocracia é grande.

Neste caso, não são apenas consultas, exames e cirurgias, é necessário um trabalho além, é o depois, que para muitos pode se tornar um problema.

Os ostomizados são um exemplo de que o tempo não para e as necessidades idem.

Segundo a Associação Brasileira de Ostomizados, existem hoje no município do Rio de Janeiro cinco mil ostomizados, quando a estatística chega ao estado, o número cresce alcança os oito mil.

Para melhorar a qualidade de vida dos ostomizados, que já passaram pela etapa da descoberta e da cirurgia, a vereadora Laura Carneiro (PTB) apresentou o projeto de lei nº 12/2013, que garante direito de acessibilidade das pessoas ostomizadas aos sanitários disponíveis em portos, aeroportos, rodovias, postos de saúde e hospitais públicos, mediante a instalação de equipamentos adequados para uso.

“Não existe banheiro adaptado aqui no Rio de Janeiro e isso é uma questão de conforto, qualidade de vida.

Não é apenas um lavatório, é um sanitário elevado até a altura do abdome”, defende a presidente da Associação Brasileira de Ostomizados, Cândida Carvalheira.

A informação da própria Associação é a de que no município de Volta Redonda, no Sul Fluminense, já está disponível um desses banheiros em um shopping da cidade.

Agora é aguardar a aprovação do projeto e ver a cidade do Rio de Janeiro ter mais esta atitude de cidadania.

“O projeto está em tramitação e espero que seja aprovado em breve.

Trabalho por uma saúde pública de qualidade.

O bem-estar do paciente é primordial para o bom andamento de todo o tratamento.

O ostomizado já arca com o alto custo das bolsas, ter um banheiro adaptado é mais uma atitude de respeito”, ressalta a vereadora Laura Carneiro.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da Câmara Municipal do Rio de JaneiroFoto: ASCOM/CMRJ