Laura propõe limite de velocidade nas ciclovias, ciclofaixas e vias

PTB Notícias 5/03/2013, 16:29


A vereadora Laura Carneiro (PTB) apresentou à Câmara do Rio de Janeiro o projeto de lei nº 23/2013, que estabelece limite de velocidade nas ciclovias, ciclofaixas e vias públicas em horários pré-estabelecidos, de forma a reduzir o número de acidentes nestes espaços.

A proposta estabelece que o limite de velocidade nas ciclovias destinadas à área de lazer deve ser de até 20 km/h no horário entre às 6h20 e 16h.

No projeto, também cabe ao Poder Executivo providenciar a sinalização nas ciclovias, ciclofaixas e vias públicas, por meio de placas com os limites de velocidade a serem seguidos, assim como a fixação de multa aplicável ao descumprimento da norma e a promoção de campanhas educativas.

As ciclovias são espaços destinados à circulação de pessoas que utilizam a bicicleta como meio de locomoção.

A origem do termo remonta a Paris no ano de 1862, quando a prefeitura parisiense criou caminhos especiais nos parques para os velocípedes para que não se misturarem às charretes e carroças.

A criação destas pistas “cicláveis’, como também são chamadas, permite uma maior segurança tanto ao ciclista, quanto aos pedestres e motoristas.

Apesar do crescimento do número de pistas na Cidade, ainda ocorrem acidentes devido a falta de atenção e alta velocidade praticadas.

Para a vereadora Laura Carneiro, o projeto visa “inibir a imprudência que dá origem a tantos acidentes”.

Bicicleta: transporte alternativoAs pistas “cicláveis’ podem ter três estilos: tráfego compartilhado, na qual não existe delimitação entre as faixas de automóveis e ciclistas nas vias públicas; ciclofaixa, onde uma das faixas da pista é destinada à circulação de bicicletas e ciclovia, que é separada fisicamente do tráfego de automóveis e pode ter até dois sentidos.

O crescimento do número de bicicletas contribuiu para a ampliação dessas pistas no Brasil.

O Rio de Janeiro já possui um dos maiores trajetos de ciclovias, com cerca de 160 km.

Quem passeia pelas ciclovias cariocas se delicia com o cenário de praias e lagoas, perfeito para as horas de lazer e exercício.

No entanto, o aumento do uso da bicicleta como meio de transporte é algo iminente, devido às questões ligadas ao meio ambiente, por ser um transporte movido pela força do condutor.

Afinal, não precisa de combustível, e contribui para uma menor emissão de gases poluentes na atmosfera, que causam o efeito estufa e o aquecimento global.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da Câmara Municipal do Rio de Janeiro