Legislativo recua, diz deputado federal Silvio Costa em seminário

PTB Notícias 8/11/2012, 17:18


O deputado Silvio Costa (PTB-PE), ex-presidente da Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados e hoje membro titular da mesma comissão, foi o responsável por quebrar um pouco a formalidade da platéia do seminário promovido pelos Diários Associados sobre as novas relações de trabalho para o Brasil do século 21.

Sincero e direto, o deputado disse que defende a reforma trabalhista e da Previdência Social, mas ressaltou que o assunto, por polêmico e desgastante, não encontra boa recepção entre seus pares.

“O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), não colocará a proposta em votação.

Ele tem medo do Paulinho (o deputado Paulo Pereira da Silva, do PDT paulista, presidente licenciado da Força Sindical) e do Vincentinho (deputado pelo PSP e ex-presidente da CUT)”, disparou Costa.

Segundo ele, o corporativismo impera no Congresso Nacional e a maioria dos parlamentares defende os sindicatos e não os trabalhadores.

Por isso, na sua avaliação, dificilmente passará qualquer proposta nesse sentido, nem mesmo a mais simples.

Descontraído, o deputado disse que não vota, por exemplo, nenhuma proposta do hoje senador Paulo Paim (PT-RS), que classificou de demagogo.

“As propostas dele implicam aumento das despesas ou para o setor público ou para as empresas”, acusou.

Na exposição do deputado, sobrou até para a Justiça do Trabalho.

Ele disse que o Tribunal Superior do Trabalho (TST) é quem mais interfere nas atividades do Legislativo, pois edita sem parar normas com o poder de leis.

São as chamadas súmulas que, segundo ele, sob o pretexto de dirimir dúvidas, acabam criando novos normativos que devem ser seguidos por todos.

Pelas contas do deputado, de 2003 a 2012 o TST editou 444 súmulas, muitas das quais conflitantes.

Agência Trabalhista de Notícias (NM), com informações do Correio Braziliese Foto: Reinaldo Ferrigno/Agência Câmara