Leia aqui “Roberto Jefferson pede votos para Sarney no Senado”

PTB Notícias 23/01/2009, 17:36


Leia abaixo matéria publicada no blog do jornalista Josias de Souza, nesta sexta-feira (23/1):Roberto Jefferson pede votos para Sarney no SenadoO ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), cassado nas pegadas do escândalo do mensalão, tornou-se cabo eleitoral de José Sarney (PMDB-AP).

Na briga pela presidência do Senado, Jefferson joga no time de Renan Calheiros (PMDB-AL), o centro-avante da candidatura de Sarney.

Presidente do PTB, Jefferson move-se para despejar os sete votos da bancada de senadores da legenda no colo de Sarney.

No momento, Jefferson sua a camisa para virar a cabeça de três senadores petebistas que prometeram voto a Tião Viana (AC), o candidato do PT.

Tenta-se evitar também que Fernando Collor (PTB-AL), supostamente indeciso, ceda ao assédio do candidato petista.

Chama-se Gim Argello (DF) o operador de Jefferson.

É o líder do PTB no Senado.

Alega nos subterrâneos que a opção por Sarney é respaldada pelo Planalto.

Argello diz aos companheiros de bancada que não recebeu do ministro José Múcio, coordenador político de Lula e filiado ao PTB, nenhuma orientação em contrário.

Afirma, de resto, ter ouvido da própria ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), a presidenciável de Lula, algo assim: “Qualquer decisão que vocês tomarem será boa”.

Argello mora no Lago Sul, bairro chique de Brasília.

Sua casa fica na vizinhança da residência oficial de Dilma.

Adepta das caminhadas matinais, a ministra por vezes encontra-se com o líder do PTB, um “atleta” de ocasião.

Se verdadeira, a frase que Argello atribui a Dilma funciona como evidência de que o Planalto jogou Tião Viana aos leões.

O grupo de Renan difunde nos corredores do Senado a “notícia” de que Sarney já disporia de 58 votos.

Mas a disputa tem os contornos de uma guerra.

Fechada com Sarney, a direção do DEM intimou uma senadora licenciada a reassumir o mandato em 30 de janeiro, dois dias antes da eleição.

A convocada se chama Maria do Carmo.

É senadora por Sergipe.

Afastara-se por problemas de saúde.

Embora não esteja inteiramente restabelecida, Maria do Carmo voltará ao Senado para desalojar o suplente Virgínio de Carvalho (PSC-SE), um eleitor de Tião Viana.

Entre todas as legendas, a mais disputada é o PSDB.

Com 13 senadores, o partido tornou-se o fiel da balança na queda-de-braço pelo comando do Senado.

A bancada tucana está dividida.

Pelo menos seis senadores pendem para Tião.

Mas a direção deliberou que, seja qual for a opção, a legenda terá de votar unida.

O líder Arthur Virgílio (PSDB-AM) opera em favor de Sarney.

Tião associa os esforços brasilienses a investidas que extrapolam os limites do Senado.

O candidato petista acinou o irmão Jorge Viana (PT), ex-governador do Acre.

Ele tem ótimo trânsito com os tucanos.

Tem diálogo fácil especialmente com o governador tucano de Minas, Aécio Neves, e com o ex-presidente FHC.

Conversou com ambos.

E disse ao irmão não ter detetectado sinais de aversão ao nome dele.

De resto, o próprio Tião esforça-se para estreitar relações com tucanos e ‘demos’ ilustres.

Há dois dias, falou por telefone com o presidenciável José Serra.

Nesta quarta (22) tocou o telefone para o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM).

Deixou recado.

Kassab devolveu a ligação.

Mas alcançou Tião num instante em que o candidato embarcava num vôo de Brasília para o Acre.

Devem se conversar nesta quinta (23).