Leia o artigo ‘UPP não é remédio para tudo’, de Marcus Vinícius, no O Dia

PTB Notícias 4/05/2012, 17:12


Leia na íntegra o artigo “UPP não é remédio para tudo”, do deputado estadual e presidente do PTB no Estado do Rio de Janeiro, Marcus Vinícius Neskau, publicado nesta quinta-feira (03/05/2012) no jornal “O Dia”.

UPP não é remédio para tudoRio – Muito se tem falado sobre a migração de bandidos dos morros pacificados da capital para o interior.

Depois de ter sido sistematicamente negado pelas autoridades, finalmente, diante do caos em Niterói, o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, admitiu o óbvio.

Com sua principal fonte de renda — o tráfico de drogas — sufocada pelas UPPs, os marginais não iriam arranjar emprego de carteira assinada.

Estão, isso sim, se deslocando para fontes alternativas de receita.

E aí se incluem os crimes em cidades onde isso não ocorria com tanta frequência, entre elas a pacata Petrópolis.

Estão aí os números do Instituto de Segurança Pública: de 2010 para 2011, nove dos 14 principais índices de violência aumentaram ou não caíram em Petrópolis.

Cresceram, por exemplo, os roubos ao comércio, a residências e a transeuntes.

Esses crimes são os que mais elevaram a sensação de insegurança da população, que, na maioria das vezes, é muito maior do que o aumento dos números.

Esse sentimento acompanha muito mais a repercussão dos casos.

Quanto maior a repercussão, maior a sensação de insegurança.

Influenciada pela propaganda das UPPs, que se tornaram uma grife em se tratando de segurança pública, a população de Petrópolis tende a clamar por essa modalidade também em sua região.

Só que a UPP não é remédio para tudo.

Elas se aplicam a situações específicas que geralmente ocorrem na capital.

Acompanhamos nos últimos anos a diminuição do efetivo do 26º Batalhão.

E, ultimamente, assistimos ao envio de todos os policiais recém-formados para as UPPs da capital.

Petrópolis também precisa de policiamento, a exemplo de outras cidades do interior, ou mesmo do Grande Rio.

É isso que vamos pedir às autoridades na audiência pública que a Comissão de Segurança da Assembleia Legislativa (Alerj) fará na Câmara de Vereadores de Petrópolis.

Só com a participação de todos chegaremos a uma boa solução.