Léo Moraes: ‘Nazif fez pouquíssimo por Porto Velho em um ano de gestão’

PTB Notícias 29/01/2014, 8:23


O vereador de Porto Velho (RO) Léo Moraes (PTB) foi o entrevistado de terça-feira (28/1/2014) do programa A Voz do Povo, na rádio Cultura FM 107,9, apresentado interinamente pela jornalista Alisângela Lima.

Moraes abriu a entrevista manifestando a sua preocupação com o descaso com o qual a cidade tem sido tratada, pela gestão do prefeito Mauro Nazif (PSB).

“Tem um ano de gestão e pouquíssimo foi feito pela nossa cidade.

Os esgotos continuam a céu aberto, lama, poeira, escuridão, falta de médicos e de medicamentos nas unidades de saúde e falta de planejamento.

Há uma desesperança, um clima de melancolia na cidade, infelizmente”, afirmou.

Ao cobrar melhorias na coleta de lixo na capital de Rondônia, o parlamentar disse que “a empresa Marquise não cumpre com a sua parte no contrato, que deveria ser rompido pela prefeitura, por caducidade.

A situação não melhorou em nada em mais de um ano de gestão”.

O vereador lamentou que a promessa do prefeito, de iluminar 100% de Porto Velho, até dezembro do ano passado, não tenha sido cumprida.

“Isso acaba favorecendo a atuação da bandidagem.

Sei que a Emdur passou por um processo complicado, mas a prefeitura sabia disso.

O presidente da Emdur, Gerardo Martins, prometeu iluminar toda a capital, mas até o momento, só teve promessa”, reclamou.

Para Léo Moraes, “recurso tem e a tarifa é cobrada mensalmente dos usuários.

Agora, a prefeitura comprou máquinas e esperamos que a coisa ande, pois a capital está às escuras”.

Ele defendeu a criação da Guarda Municipal, para contribuir com o aumento da segurança.

“Onde tem Guarda Municipal, a criminalidade cai em cerca de 20%, pelo menos”, completou.

Segundo Moraes, “eu falo o que penso e o que a população sente e anseia.

Esse tem sido o meu compromisso como vereador.

Meus pronunciamentos na tribuna da Câmara tem sido sempre no sentido de defender a comunidade e mostrar o que não está correto”.

O parlamentar falou sobre a discussão do projeto de reajuste do IPTU, em 5,89%.

“Se não foi feito nada, teria que ser suspensa qualquer reajuste de serviço público.

As pessoas estão sofrendo, desamparadas.

Não justifica aumentar o IPTU sem oferecer contrapartida.

Votei contra, mas o reajuste mínimo foi aprovado”, afirmou.

Ele alertou que a população deveria acompanhar as sessões da Câmara Municipal, para saber como votam, como se posicionam nos assuntos tratados no Legislativo.

“Me considero independente em minha atuação, mas as pessoas precisam saber como é que os vereadores se posicionam”, disse.

* Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações do portal Rondonotícias