Léo Moraes se diz descontente com gestão do prefeito de Porto Velho (RO)

PTB Notícias 1/10/2013, 20:39


O vereador de Porto Velho (RO) Léo Moraes (PTB), relator da Comissão Processante que apura se houve quebra de decoro por parte dos cinco vereadores investigados pela Operação Apocalipse, foi o entrevistado de segunda-feira (30/9/2013) do programa A Voz do Povo, na rádio Cultua FM 107,9 apresentado pelo jornalista e advogado Arimar Souza de Sá.

Ele abriu a entrevista falando sobre o delicado trabalho da Comissão Processante, que poderá levar à cassação de vereadores.

“As nossas investigações estão adiantadas.

Estamos satisfeitos com o andamento dos trabalhos, que será levado a plenário para que haja a apreciação dos vereadores.

Vamos ouvir as testemunhas do vereador Jair Montes (sem partido) ainda nesta semana.

Os demais, abriram mão de apresentar testemunhas”, disse.

“É importante que a população acompanhe o trabalho da Comissão e a atuação dos vereadores.

Tivemos um relatório prévio, na Comissão Temporária, que aprovou a continuidade das investigações.

Vamos fazer com o máximo de rigor e de cuidado para que, mais a frente, o trabalho não caia em nulidade”, afirmou.

Léo Moraes reforçou que “temos feito tudo com muita serenidade, coerência e equilíbrio.

Pedi que a Ordem dos Advogados acompanhasse esse trabalho para que haja ainda mais transparência”.

Segundo ele, “todo o inquérito, todo o processo está nas mãos da Câmara.

Existem fatos para serem avaliados e pegamos emprestadas as investigações em curso.

É um julgamento político e que não está atrelado a nenhuma decisão da justiça”.

O vereador garantiu que “não estou recebendo pressão de ninguém e nem às aceitaria.

Não fui procurado por ninguém e nem admitiria tal prática”.

Sobre a não denúncia contra o vereador Eduardo Rodrigues (PV), por parte do Ministério Público, Moraes destacou que “é claro que isso precisa ser sopesado e levado em consideração, mas estão ainda sendo feitas investigações e precisamos aguardá-las”.

Sobre a possibilidade de punição ele foi incisivo: “o que tiver de ser, será.

Se houver materialidade da quebra de decoro, não irei me furtar, como relator, de pedir a devida condenação”.

Em relação à gestão do prefeito Mauro Nazif (PSB), o vereador reconheceu que está complicada.

“O gestor tem que saber desatar os nós e fazer a máquina pública andar.

Não estou satisfeito com o desempenho do prefeito, assim como a maioria da população.

A iluminação pública, por exemplo, precisa ser feita.

Já ouvi o prefeito dizer que vai iluminar a capital em 100% até o final do ano.

Eu tenho dúvidas se vai conseguir iluminar o presépio de natal, quanto mais a cidade por inteira”, afirmou.

O vereador falou ainda de suas ações na Câmara, destacando o projeto de criação da guarda municipal e do distrito de Rio Pardo, além de mais de 300 indicações ao prefeito.

* Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações do portal Rondonotícias