Líder Jovair Arantes analisa reunião com presidenta Dilma Rousseff

PTB Notícias 19/08/2011, 10:42


O líder do PTB na Câmara, Jovair Arantes (GO), afirmou na última quarta-feira (17/08/2011), após reunião com a presidente Dilma Rousseff, que o governo vai empenhar em agosto R$ 1 bilhão em emendas parlamentares e R$ 450 milhões de pagamentos de restos a pagar.

Dilma se reúne com líderes do PMDB e PT para estreitar relações “Nesse primeiro momento está autorizado R$1 bilhão para ser, nesse mês de agosto já, empenhado e por volta de R$ 450 milhões de pagamentos de restos a pagar.

Ideli já ajustou isso conosco no almoço com líderes, ontem”, afirmou.

As emendas parlamentares são apresentadas por deputados e senadores e incluem no orçamento projetos e obras direcionados aos seus estados e municípios.

Os restos a pagar são um mecanismo pelo qual despesas contratadas em um ano podem ser pagas pelo orçamento dos anos subsequentes.

Arantes disse ainda que a presidente defendeu que, no futuro, haja prazo de um ano para a efetiva liberação de recursos relativos a emendas parlamentares.

“Na discussão toda, ficou claro que existe uma morosidade entre o objetivo do deputado, e dos prefeitos, vereadores do município [e a liberação do dinheiro].

A emenda quando ela é feita, o empenho até a execução final, não tem nenhum caso que você possa fazer em um ano, demora três, quatro anos.

E você não pode, porque uma obra pequena, de 200 mil reais, não pode ficar esse tempo todo para ser construída.

Ela [Dilma] vê isso e a sociedade quer isso.

Ela está muito sintonizada em avançar nessa área”, afirmou.

Dilma se reuniu nesta terça no Palácio do Planalto com líderes do PTB, PSC e PP no Congresso.

Essa é a terceira reunião com integrantes da base aliada.

O objetivo é estreitar as relações do governo com os parlamentares e reduzir as insatisfações da base com o Planalto.

Na semana passada, PMDB e outros partidos da base aliada se articularam para impedir a realização de votações na Câmara dos Deputados.

O objetivo da paralisação foi demonstrar insatisfação com o governo, principalmente com a demora na liberação de emendas parlamentares.

Agência Trabalhista de Notícias (PB), com informações do Portal G1.

com