Luiz Carlos Busato revela que diminuiu os índices de criminalidade em Canoas

PTB Notícias 23/10/2020, 8:55


Imagem

Dentro da série de entrevistas com os candidatos à prefeitura de Canoas (RS), a Agência GBC recebeu, na quinta-feira (22), o atual prefeito do município e candidato à reeleição, Luiz Carlos Busato (PTB).

Durante 20 minutos, Busato falou sobre seus planos para caso seja reeleito prefeito de Canoas, o que o levou a concorrer ao cargo, questões econômicas que o município enfrenta, saúde, segurança pública e mobilidade urbana.

O candidato deu início à conversa lembrando que seu sonho era ser prefeito de Canoas desde quando o pai dele ocupou o cargo de gestor municipal. Segundo ele, em 2017, encontrou a prefeitura com uma dívida de mais de R$ 30 milhões da gestão anterior. “As escolas estavam com prédios sem manutenção. Nós tentamos recuperar o sistema de saúde, pois os postos estavam com dívidas de mais de R$ 128 milhões. Encontramos uma fila de espera por atendimentos composta por 153 mil pessoas”, lembrou.

De acordo com o candidato, sua gestão reconstruiu a rede de saúde municipal. “Só nessa semana entregamos 10 clínicas de saúde da família, ainda faltam quatro que estão em obras. Nós implantaremos o aplicativo de tele-saúde, no qual as pessoas poderão receber o atendimento médico através do telefone. Também implantaremos o programa Saúde não Dorme, no qual atenderemos, na madrugada, as pessoas que estão na fila de espera para atendimentos médicos.

Segundo Busato, o seu governo pretende focar nos pequenos empreendedores, focando nos informais e vai revitalizar os centros dos bairros. “Os negócios de bairros são muito promissores”, destacou.

Busato lembrou que a segurança era a principal preocupação da população na época em que estava concorrendo ao primeiro mandato. “Conseguimos diminuir os índices de criminalidade de Canoas. Foi uma promessa de campanha cumprida, nós fizemos o nosso dever de casa, a ponto do nosso secretário de segurança, que fez um excelente trabalho, que virou o vice governador do Estado”, concluiu.

Com informações da Agência GBC