Marcos Crippa diz que SAEC errou em devolver dinheiro ao executivo

PTB Notícias 11/02/2012, 8:14


O vereador Marcos Crippa (PTB-Catanduva/SP) criticou a atuação do Superintendente Alfredo Minervino Neto, responsável pela SAEC (Superintendência de Água e Esgoto de Catanduva).

Segundo o parlamentar, havia necessidade de manter equipamentos novos para substituir os atuais em casos de defeitos e problemas, conforme o apresentado semana passada no poço profundo da rua Birigui.

“Com equipamentos reserva poderia ser evitado o racionamento de água esse tipo de investimento não é perdido, porém, o superintendente optou por devolver R$ 8,4 milhões aos cofres municipais”, falou o vereador, usando a Tribuna da Câmara na última terça-feira, 07/02, na primeira sessão ordinária de 2012.

“Muitas pessoas foram prejudicadas.

Pequenos comércios, principalmente as donas de casa.

E essa situação poderia ser muito diferente.

Eu achava que a SAEC devolveria, no máximo, R$ 1,5 milhão.

A SAEC devolveu R$ 8,4 milhões.

Isso caracteriza uma má administração do superintendente.

Como devolve todo esse valor e não adquire bombas para substituir?”, questionou o vereador.

Segundo Marcos Crippa, ele verifiquei o preço da bomba que apresentou problemas.

“Custa, em média, R$ 130 mil cada uma.

É vergonhoso.

Fico entristecido e peço ao prefeito Afonso Macchione que cobre o superintendente”, salientou.

Para Crippa, existe uma disputa na atual administração de quem consegue economizar mais para devolver dinheiro ao Executivo.

“É lastimável.

O prefeito tem obrigação de chamar o superintendente.

É inconcebível que a população acabe pagando por isso”, destacou.

O problema na bomba da rua Birigui trouxe prejuízos para vários comerciantes.

Na região central da cidade, principalmente nos estabelecimentos comerciais, vários atendimentos não foram realizados, pois os comerciantes não tinham água para limpar seus produtos e objetos.

“Ficou impossível de preparar os alimentos, limpar o local e servir.

Ficamos, durante dois dias, sem rumo no restaurante”, disse uma comerciante da rua Pará, que diariamente oferece comida por quilo.

Desrespeito – O vereador Marcos Crippa criticou o veto do prefeito Afonso Macchione Neto (PSDB) ao projeto de lei do vereador Marquinhos Ferreira (PT), que pediu denominação para uma praça.

Para Crippa, o veto do prefeito é um desrespeito aos familiares do homenageado e também aos vereadores.

O vereador Marquinhos Ferreira pediu para que o nome do homenageado não fosse divulgado, até que a situação seja resolvida.

O vereador apresentou à reportagem de O Regional documento da Prefeitura de Catanduva provando que uma área localizada no Pólo Industrial Giordano Mestrinelli não tinha denominação.

No veto, porém, o prefeito de Catanduva alega que o local já conta com denominação.

Marquinhos Ferreira disse que vai aguardar o jurídico da Câmara.

Agência Trabalhista de Notícias (LL) com informações do Portal O Regional