Marlene Campos Machado: ‘Ideologia do gênero não é questão central no combate à violência contra a mulher’

PTB Notícias 6/02/2017, 7:26


Imagem Crédito: Divulgação

[vc_row][vc_column][vc_column_text css=”.vc_custom_1486487325849{margin-bottom: 0px !important;}”]A presidente nacional do PTB Mulher, Marlene Campos Machado, militante das causas femininas há mais de 20 anos no Estado de São Paulo, analisou, na sexta-feira (3), informações sobre a violência contra mulher nas 20 cidades da Região Metropolitana de Campinas.

Segundo ela, “não é a relativização do gênero ao qual pertencemos que vai promover avanços no combate à violência, mas sim ações assertivas e integradas entre a política de assistência social e a de segurança para, concomitantemente, acolher as vítimas e combater a impunidade”.

Ela aponta que as 20 cidades da RM de Campinas foram responsáveis por 686 casos de estupros em 2016, e calcula que “45% das cidades da região detêm média de estupros acima da média do Estado, que é de 22,2 estupros a cada 100 mil habitantes”.

E completa ainda: “há municípios, como Monte Mor e Engenheiro Coelho, em que as taxas de estupros ultrapassaram 40 por 100 mil habitantes, equiparando-se às maiores médias desse crime no país, observadas em cidades de Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul”.

Já na cidade de Campinas, Marlene indica que, “além do aumento de 12% nos casos, a cidade, terceira maior do Estado, é uma das que está acima da média, 5% superior à do Estado [23,3 estupros a cada 100 mil habitantes]”.

Marlene também comentou que o desacordo entre legisladores municipais e interessados em combater a violência contra mulher deixa as coisas ainda mais difíceis.

Dentre os movimentos femininos que atua está a coordenação de todos os partidos políticos na Campanha Por Mais Mulheres na Política, que pautou a PEC 98 no Senado Federal.

Com informações do PTB-SP[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]