Marlene comenta redução em filiações a partidos nos últimos 20 anos

PTB Notícias 18/06/2015, 7:32


A presidente nacional do PTB Mulher, Marlene Campos Machado, comentou os dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), divulgados na segunda-feira (15/6/2015), que apontam redução significativa no número de pessoas que ingressam em uma legenda em ano de pré-eleição municipal.

“É compreensível que muitas pessoas não se sintam representadas ou estejam descrentes com a classe política por conta de várias situações que presenciamos diariamente.

Porém, precisamos manter a racionalidade, a política ainda é o principal meio de lutarmos por melhorias na qualidade do serviço público”, afirma.

Atuante como dirigente partidária de uma legenda presidida por uma mulher, Marlene luta pela inserção feminina há 16 anos e defende que todos tenham maior pré-disposição para participar da política.

“Se queremos mudar nossa sociedade para melhor, temos que nos inserir na política, não podemos permitir que continue desta maneira e quanto menos pessoas filiadas a uma agremiação política, maior a chance de tudo continuar da forma que está”, diz.

A liderança à frente de mais de 150 mil mulheres no Estado de São Paulo, fez de Marlene Campos Machado coordenadora da campanha por mais mulheres no Parlamento, lançada em abril na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), com a presença de dezenas de parlamentares, entre eles os presidentes da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Sobre a inserção da mulher na política, a presidente do PTB Mulher comenta que houve avanços em número de candidatas entre 2010 e 2014.

“Tivemos aumento de 71% de mulheres disputando cargos eletivos, porém houve retrocesso em número de eleitas, foram 178 eleitas em relação à 193 na penúltima eleição”, analisa.

Para Marlene, “as próprias legendas precisam fazer uma autoavaliação sobre como está o trabalho de formação de lideranças capazes de representar a sociedade” [.

.

.

] “O trabalho social e político me deu a oportunidade de conhecer muitas pessoas que fazem muito pelo próximo e com poucos recursos, quantos assim, não passam por nossas vidas diariamente? Esse é o perfil vocacionado para o serviço público e que precisa estar na política”, completa.

Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações do PTB-SPFoto: AscomPTB