Marquezelli afirma que medicamento cresce 256% no Estado de São Paulo

PTB Notícias 16/02/2012, 16:56


Em um ano de funcionamento da iniciativa Saúde Não Tem Preço – lançada em fevereiro de 2011 pelo Governo Federal – triplicou o número de beneficiados em São Paulo com medicamentos gratuitos para o tratamento de diabetes e hipertensão.

No estado, o programa do Ministério da Saúde aumentou 256% o número de pacientes beneficiados de janeiro de 2011 a janeiro de 2012.

O total mensal de pessoas que retiraram esses produtos nas 4.

578 farmácias e drogarias credenciadas passou de 235.

165, em janeiro de 2011, para 836.

051, em janeiro de 2012.

O deputado Nelson Marquezelli (PTB) informou que no Estado São Paulo, a quantidade mensal de diabéticos beneficiados pelo programa cresceu 212% – pulou de 96.

525, em janeiro de 2011, para 301.

531, em janeiro deste ano.

No caso da hipertensão, o número aumentou 301% no mesmo período – passou de 168.

239 para 675.

204 beneficiados.

Em todo o país, a quantidade de beneficiados aumentou 280% no mesmo período.

O total mensal de brasileiros assistidos pelo Saúde Não Tem Preço passou de 853.

181, em janeiro de 2011, para 3,6 milhões em janeiro de 2012, incluindo atendimento nas farmácias credenciadas e na rede própria do Governo.

Em todo o período, 7,8 milhões de pessoas foram beneficiadas.

Deste total, 1.

940.

343 em São Paulo.

O programa Saúde Não Tem Preço fornece medicamentos gratuitos para diabetes e hipertensão, desde fevereiro.

Antes, nas drogarias credenciadas ao Aqui Tem Farmácia Popular, os produtos eram oferecidos com até 90% de desconto.

A hipertensão arterial acomete 23,3% da população adulta brasileira maior de 18 anos, segundo dados do estudo Vigilância de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) de 2010, que considera o diagnóstico médico referido pelo entrevistado.

Em São Paulo (capital), o percentual de hipertensos é de 22,9% da população adulta, abrangendo 19,7% dos homens e 25,8% das mulheres.

De acordo com a mesma pesquisa, o diabetes atinge 6,3% da população adulta brasileira.

Especificamente na capital paulista, 7,1% da população apresentam a doença – 6,3% dos homens e 7,8% das mulheres.

Os medicamentos são oferecidos nas mais de 20 mil farmácias e drogarias da rede privada credenciadas ao Aqui Tem Farmácia Popular.

ORIENTAÇÕES AOS USUÁRIOS – Para obter os produtos disponíveis no Saúde não Tem Preço, o usuário precisa apresentar CPF, documento com foto e receita médica, que é exigida pelo programa como uma forma de se evitar a automedicação, incentivando o uso racional de medicamentos e a promoção da saúde.

Eventuais dúvidas podem ser esclarecidas e comunicadas ao Ministério da Saúde – pelos estabelecimentos credenciados ou pelos usuários do programa – por meio do Disque-Saúde (136) como também pelo e-mail analise.

fpopular@saude.

gov.

brEste endereço de e-mail está protegido contra spambots.

Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

.

Os medicamentos gratuitos para hipertensão e diabetes são identificados pelo princípio ativo ou nome genérico, que é a substância que compõem o medicamento.

Os itens disponíveis são informados pelas unidades do programa, onde os usuários podem ser orientados pelo profissional farmacêutico.

É ele que deverá informar, ao usuário, o princípio ativo que identifica o nome comercial do medicamento (de marca, genérico ou similar) prescrito pelo médico.

Ivana Souza – Agência Trabalhista de Notícias, com informações da assessoria do deputado Nelson Marquezelli